Por: Deivis Chiodini | 4 anos atrás

O UFC desembarca com sua edição de 180 no México pela primeira vez, para o grand finale da edição inicial do TUF Latino americano, que contou com mexicanos enfrentando lutadores de toda América Latina (exceto Brasil).

452bzt0ifrokzowowcusg40wj

 

Como main event, estava previsto a disputa de cinturão dos pesados, entre o filho de mexicanos e campeão, Cain Velasquez e o brasileiro Fabricio Werdum (queridinho do público latino, por comentar o UFC para os Hermanos). Mas Velasquez machucou o joelho, e o UFC agiu rápido, colocando Mark Hunt contra Werdum pelo cinturão interino. O evento tem transmissão do Canal Combate a partir das 22 horas.

Vamos conferir o preview das principais lutas do evento:

Ricardo Lamas x Dennis Bermudez (categoria dos penas): Ricardo Lamas volta ao cage após tentando retomar o caminho ao topo da divisão e terá pela frente o monstrinho Dennis Bermudez, que desde sua derrota na final do TUF 14 soma 7 vitórias consecutivas. Lamas é um lutador de alto nível, que prima pela solidez e consistência no seu jogo. Boas combinações no jogo de base e movimentação são sua base, mesmo sem tanta pegada, acabam sendo fatores importantes de pontuação. Seu wrestling tem bom jogo, mas não é tão forte a ponto de fazer frente a um wrestler de alto gabarito e no jogo de chão, ele tem alguns bons ataques da guarda, mas com as costas no jogo em geral seu jogo é de se defender e buscar subir a luta.

Ricardo-Lamas-UFC

Já Bermudez, que vem em franca evolução é um lutador muito forte, com um jogo de muita pressão, sendo buscando o clinche para usar suas boas joelhadas do muay thai ou nas suas boas entradas combinando chute, soco e quedas. Wrestler de muita competência costuma praticar quedas precisas e com o controle no chão sentar a marreta, até achar espaço para ataques ao pescoço. O problema de Bermudez é por baixo, onde se expõe demais e quando golpeado, onde acaba sentindo muito e se perdendo na luta, se tornando alvo para um adversário que “sinta o cheiro de sangue”.

Palpite: Luta dura para Lamas, que terá que manter essa luta numa distância mais longa. Bermudez deve conseguir suas quedas após correr alguns riscos de pé, e finalizar no segundo

Jake Ellenberger x Kevin Gastelum (categoria dos meio médios): Para o veterano Ellenberger, é vencer ou vencer. Vindo de duas duras derrotas, uma derrota colocaria o antigo contender da divisão em situação delicada e com o emprego em risco. Já para o ainda invicto e campeão do TUF 17, seria a chance exata de provar que pode sim, enfrentar grandes desafios na categoria. Ellenberger é um lutador que depende muito de sua confiança para vencer. Seu jogo de socos explosivos, com movimentação constante de entra e sai é uma arma poderosa e parece que se ele consegue conectar o mesmo no início de suas lutas, nada pode o parar. Além disso, muita força no double leg o possibilita colocar os oponentes com as costas no chão, onde se ele não é um grappler de muito gabarito, pelo menos mantém bom controle posicional e aproveitando para pontuar num duro ground and pound. Já Gastelum, é uma estrela em ascensão, e com todos os predicados para quebrar a confiança de Ellenberger e controlar a luta.

MMA: UFC Fight Night 43-Gastelum vs Musoke

Com muito gás e bom controle de ritmo e centro do cage, Gastelum gosta de joga potentes golpes de esquerda encurtando para usar seu carro chefe, seu wrestling. Quando consegue clinchar ou encurtar que seu jogo de força aparece, seja dominando na grade ou colocando o adversário para baixo, onde costuma sufocar muito, usando bem o peso do corpo e não dando brechas a raspagens, fazendo a evolução gradativa das posições.

Palpite: Ellenberger terá que defender as quedas no inicio e colocar muita pressão, com muito volume de jogo na trocação. Como não vejo Gastelum cedendo a essa pressão toda, aposto em vitória dele por decisão ao final dos 3 rounds.

Fabricio Werdum x Mark Hunt (cinturão interino dos pesados): Bom, a historinha toda da luta vocês já lerem lá em cima, então vamos aos detalhes dela. Mark Hunt, após uma fase péssima logo depois do fim do Pride retomou o caminho das grandes lutas e agora é agraciado com essa chance. Ele vem de nocautear Roy Nelson (sim, você não leu errado) e aceitou a luta em cima da hora. Hunt é um kickboxer por natureza, multi condecorado campeão mundial do K-1 e sem dúvida sua trocação é sua arma principal. Dono de mãos e queixo de pedras, ele tem todos os requisitos para nocautear qualquer um.

Distância, tempo, ângulos e ritmo o fazem uma máquina na luta de pé. Suas defesas de quedas são razoáveis, e por baixo, apesar de já ter sido finalizado algumas vezes, vem mostrando evolução, como na luta contra Stefen Struve. Como ele corta peso para atingir os 120 Kg do limite da categoria, seu gás deve ser fator preocupante, pois aceitou a luta em cima da hora. Já Fabrício Werdum vive a melhor fase da carreira. Único homem do mundo a finalizar Fedor e Minotauro, ele, no inicio da carreira um lutador unidimensional de jiu jitsu, ele mostra grande evolução na parte de pé, vencendo na trocação favoritos como Roy Nelson e Travis Browne. Dono de grande movimentação circular, procurando caminhar muito pra frente, Werdum usa e abusa da combinação jab-direto-chute no corpo, e geralmente com bons resultados. Além disso, sua evolução no clinche é brutal, com sua grande envergadura lhe ajudando no trabalho de controle para as joelhadas. Seu wrestling ofensivo evoluiu muito e como seus adversários agora respeitam sua trocação, as quedas vêm mais ao natural. O jogo de chão é a cereja do bolo. Werdum é um dos maiores grapplers da história do MMA e seu jogo de chão é incrível.

ufc-fabricio-werdum-640x360-gettyimages_2

Sua guarda é fenomenal (Fedor que o diga) e por cima ele gira como se pesasse 60 kg e não 110. Qualquer brecha é fatal e as transições e controle posicional o colocam em siatuação de finalizar a luta seja numa belo ataque aos braços ou ao pescoço.

Palpite: Hunt lutará por uma patada, de preferência no começo da luta Werdum deve trocar só o necessário na longa distância, cansar Hunt um pouco no clinche, mas com muito cuidado e buscar a queda. Uma vez no chão, é questão de tempo. Fabricio Werdum com uma kimura no terceiro round.