Por: Ricardo Daniel Treis | 3 anos atrás

Matéria por Cesar Soto, para o G1:

Não é exagero afirmar que Pablo Escobar é uma das figuras mais importantes da história da Colômbia. Ao comandar 80% do comércio mundial de cocaína durante os anos 1980, ele figurou na lista de bilionários da revista “Forbes” em 1987, e é considerado até hoje o traficante mais rico da história.

[youtube_sc url=”https://youtu.be/2vqNmTmWqeY” width=”650″ autohide=”1″]

Se tais motivos não fossem suficientes para causar receio a qualquer ator com o desafio de interpretá-lo, Wagner Moura somou outros itens à lista ao viver o personagem na série “Narcos”, que estreia no Netflix no dia 28 de agosto.

Na produção que marca seu reencontro com o diretor José Padilha, com quem trabalhou nos dois “Tropa de elite” (2007 e 2010), Moura aparece 20 quilos mais gordo, interpretando em um idioma que não falava até cinco meses antes do início das gravações.

Não fosse a participação do cineasta, responsável pela criação da série, o antigo capitão Nascimento talvez nunca tivesse passado para o outro lado da lei. “Eu não era colombiano, eu era muito magro, não falava espanhol. Não tinha nada a ver”, conta o ator ao G1. “Tinha a ver a loucura do José Padilha de achar que esse era o ator. Então, quando o Zé me chamou, eu pensava só em não decepcioná-lo.”

[youtube_sc url=”https://youtu.be/hnbyUXW1TiA” width=”650″ autohide=”1″]

Apesar de sua carreira criminosa, Escobar nunca se poupou do olho público e, por causa de seu sonho de um dia chegar à Presidência da Colômbia, nunca evitou dar entrevistas. Tamanho material disponível serviu como uma faca de dois gumes para o ator, que estudou seus maneirismos e incluiu muitas de suas falas diretamente nas cenas.

“Isso é outro complicador. Quando você faz um personagem que existiu de verdade, é inevitável as pessoas olharem e compararem”, avalia Moura.

Para se preparar para o papel, Moura viajou a Medellín, região que serviu como base do cartel comandado por Escobar, antes mesmo de ser contratado pelo Netflix. “Isso é uma coisa que me dá muita satisfação. Cada vez mais projetos são de curto prazo”, afirma.

“Eu gosto muito desses processos que são longos. E esse do ‘Narcos’ eu tive tempo para construir o personagem, ver como era o corpo dele, a coisa da barriga, sabe? O que tá aí é o que a gente queria fazer.”