Por: Gabrielle Figueiredo | 3 anos atrás

Já parou para pensar que uma uma criança em situação de vulnerabilidade social está disponível para você levá-la um dia ao cinema ou num passeio? Ou então, que você pode se tornar um tutor dela, ensinando-a uma arte, idioma ou até ajudando-a profissionalmente? Estas e mais situações são, a partir de agora, uma realidade em Jaraguá do Sul, e você pode proporcioná-las a uma criança do Abrigo Institucional – Unidade Baependi.

O projeto de Apadrinhamento Afetivo foi aprovado na Câmara de Vereadores, e regulariza esse e outros tipos de apadrinhamento. Ao todo, o local abriga hoje 15 crianças e adolescentes encaminhados por determinação judicial. Para o projeto, participam apenas as que estão destituídas pelo Estado ou as que possuem chance remota de adoção.

Abrigo

Abrigo no bairro Baependi. Foto: Gabrielle Dias Figueiredo

O processo para o Apadrinhamento Afetivo segue algumas etapas:
1º – Cadastro dos interessados, onde são repassadas as orientações sobre o projeto e para que as profissionais do abrigo possam conhecer as pessoas.

2º – É marcado um momento para conhecer as crianças.

3º – Começa o planejamento das saídas do abrigo, que promovem visitas regulares, passeios e finais de semanas fora.

Em todo o processo acontece o acompanhamento dos profissionais do abrigo, que conta com psicóloga, assistente social e pedagoga. “O contato com pessoas de fora é muito importante para o adolescente, que precisa ter uma referência afetiva”, destaca a pedagoga Zeni do Belém Brugge.

Mas para quem não se interessa por esse tipo de apadrinhamento, existem outras maneiras de contribuir, como é o caso do apadrinhamento por serviços ou financeiro.

participantes-da-inaugurao-deixaram-mensagens-de-apoio-em-mural-no-abrigo

Inauguração do local, em 2014.

No de serviço, profissionais podem oferecer gratuitamente os próprios serviços que prestam, como professor, dentista, cabeleireiro, entre outros. No financeiro, o apoio pode vir tanto em dinheiro ou em bens, como material escolar, roupas, pagamento de cursos ou até de uma ida ao cinema, por exemplo.

Segundo a coordenadora do abrigo, Vera Lucia Heimann, é importante incentivar a comunidade a conhecer o projeto para que os auxílios às crianças aconteçam durante o ano todo.

A unidade do Baependi abriga hoje 5 meninos e 10 meninas e conta com 20 funcionários. O local recebe recursos federais, estaduais e municipais, mas que são burocráticos, o que dificulta a realização de atividades diferenciadas para as crianças e adolescentes.

Se você tem interesse de virar um padrinho, a equipe está disposta a esclarecer as dúvidas que surgirem. O contato pode ser feito pelo (47) 3371-0695 ou (47) 3371-2406.


Encontramos no YouTube um vídeo do Conselho Nacional de Justiça sobre o tema, confira:

[youtube_sc url=”https://youtu.be/3eOfXqlhbtw” width=”650″]