Por: João Marcos | 27/10/2014

Hoje pela manhã quando voltava de Sampa pra Jaraguá comprei um exemplar da Folha e, lendo a excelente coluna de Gregório Duvivier dei de cara com um trecho que me deixou perplexo.

Lá pelas tantas ele dizia:

(…) Perdemos R$74 bilhões em gastos de campanha – o equivalente a três Copas do Mundo, ou mil hospitais públicos com equipamentos de última geração, além dos gastos de todos esses hospitais por um ano, incluindo salários (…)

Cara, eu não fazia ideia disso mas, fui um pouco mais afundo nessa história e descobri que há quatro anos, a soma dos tetos de despesa foi de R$ 48,4 bilhões – ou seja, mais um pouquinho de esforço dos candidatos e dobraríamos o valor! AEAEAE -.-

A diferença é que a Copa do Mundo foi custeada, sobretudo, com dinheiro público, enquanto as campanhas são bancadas majoritariamente por meio de doações feitas por empresas.

Seja de empresas ou de patrocínio público. Já imaginou se essa grana fosse aplicada para ser usada pelo poder e não para se ter o poder?

Ademais, cliquem aqui e leiam na íntegra a coluna do Gregório na Folha de hoje. Ficou fantástica!