Por: Isah Sanson | 6 anos atrás

Conan O’Brien

Segunda-feira é sempre motivo de lamúria. E pode ser segunda-feira com chuva, sexta-feira com sol… Tem gente que sempre encontra motivo pra reclamar. “Amanhã é segunda-feira de novo :/” “Que bosta trabalhar com essa chuva.” “Ngm merece trabalhar com esse sol lindo lá fora.” “Final de semana chegou, aleluia!” Como diria meu amigo R3, vocês precisam de problemas maiores pra se preocupar.

Eu só queria entender porque uma pessoa que passa o dia todo reclamando de trabalhar nas redes sociais tem um emprego. Sei lá qualé a dessa gente, sério. Sabe aquele ditado que diz: “os incomodados que se retirem”?

Ok, todos precisamos de um emprego, queremos um salário etc etc etc. As desculpas que esse povo encontra não passam de baboseiras que falam pra justificar a sua preguiça. Não tá bom? Cai fora. Precisa do salário? Procura outro emprego que te deixe mais feliz e que te pague por isso. Não nasceu pra trabalhar? Não reclama de não ter grana.

O que essa gente diz na entrevista de emprego? “Oi, meu nome é Ciclano e eu vou passar o dia todo no Facebook, reclamando de trabalhar aqui. Quer me pagar por isso?” E esses patrões, nada veem, nada ouvem?

“Ah, mas eu reclamo pro patrão ver, mesmo.” Meu filho, vai reclamar pra ele, então. Não estamos aqui pra ouvir tua frustração. Cada um com seus problemas.  Não gosta do emprego de recepcionista? Acha que merece sair da fábrica? Que tal focar em uma profissão, ao invés de procurar um novo emprego? Procura algo que te faça feliz e se joga de cabeça. Dedique-se. E saiba que nem sempre você será valorizado por isso (ninguém disse que a vida seria justa, né?). Mas, mais que isso, saiba que só ativismo em rede social não vai te ajudar. Reclamar nunca levou alguém pra algum lugar melhor.

Não vale querer bancar onda de “vida loka” ou de que “eu amo minha vida” só no final de semana. Tatuar Carpe Diem na nuca e tomar 2 litros de vodka no sábado não vai te fazer aproveitar o dia. No máximo, curtir as tão aguardadas férias. Mas e aí, você vive só duas semanas por ano?

São 8 horas por dia, 5 dias por semana, 4 semanas por mês, 12 meses por ano, tra-ba-lhan-do (ou em alguns casos, reclamando). O restante desse tempo você passa dormindo, comendo, bebendo vodka no final de semana. É bom que esse tempo seja prazeroso, ou você estará jogando a maior parte da tua vida no lixo.

Seja mais honesto com os recrutadores e consigo mesmo. Na entrevista de emprego, fale a verdade. Se você tem problemas com horários, se não consegue sair da internet, se não gosta de trabalhar de manhã… Talvez você não consiga aquele emprego, mas… Se você não vai gostar dele, qual mal há? No fundo, lá no fundo, você nem quer esse emprego.

Tá precisando de algum motivo? Assiste esse vídeo e pede demissão. Tenho certeza de que muitas pessoas que estão lendo esse post vão sentir uma vontade louca de fazer isso. “All work and all play” é um vídeo desenvolvido pela galera descolada da Box1824 (agência de inovação e tendências), com foco no jovem que está começando sua vida profissional e criando um novo conceito para sucesso. Assista e responda a si a pergunta do vídeo.

 

Eu espero que o Carpe Diem faça algum sentido pra você. E se não fizer, não tatua, ok?

Descubra o propósito da sua vida e faça acontecer. […] É o único jeito de viver uma vida plena. Todos os dias.

E pra quem quer dar um toque naquele amigo reclamão, vale acessar o site da Pedigree e mandar pra ele um dos vídeos fofinhos de cães falando o que realmente “É osso!“.