Por: | 8 anos atrás

O vereador Jaime Negherbon (PMDB) relatou, na sessão da última terça-feira (31), um problema que se agravou nos últimos meses em Jaraguá do Sul: as más condições dos telefones públicos. O peemedebista recebeu um e-mail de um usuário de telefone público, que percorreu dez telefones, ou uma distância de 2,5 quilômetros; para conseguir um que funcionasse. “De dez telefones, apenas um funcionou. Todos os outros estavam danificados”, disse o vereador.

Jaime comentou que há grande dificuldade para substituir os telefones danificados e que esta é uma reclamação recorrente em todas as comunidades que visita. Segundo ele, a empresa demora muito tempo para fazer a substituição ou manutenção dos orelhões. “Não sei se é o vandalismo. A gente pede, pede e as pessoas quebram algo que é público. Acho que eles têm telefone e fazem isso para prejudicar quem não tem”, ressaltou Negherbon, ao dizer que os vândalos são responsáveis por uma parcela do problema.

Para o peemedebista, os telefones públicos são de grande importância para a comunidade, pois possibilita aos que não tem um telefone residencial uma maneira de se comunicar. Jaime disse, ainda, que os orelhões são importantes, pois podem fazer uma chamada de emergência para uma ambulância, por exemplo. “Gostaria de enviar um ofício para a empresa responsável para que consertem os telefones públicos de Jaraguá”, disse.

O vereador Justino Pereira da Luz lembrou que há 15 dias esteve reunido com o superintendente da empresa Oi (concessionária da telefonia em Santa Catarina), em Florianópolis. Segundo o petista, o diretor viria para Jaraguá do Sul para verificar os problemas in loco e um ofício foi enviado para que ele viesse à Câmara para debater o problema com os vereadores. “Esses dias estava no Garibaldi e não havia sinal de telefonia móvel e também não havia telefonia fixa”, comentou Justino, ao explicar que o interior da cidade também tem de ser contemplado com investimentos das empresas de telefonia. Esta uma das principais reivindicações feitas pelas comunidades no ano passado nas reuniões do PPA Participativo que a Câmara promoveu.