Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás
guardamunicipal

Guarda Municipal em Tubarão

O vereador Jocimar Lima (PSDC), apresentou na sexta-feira (11) ao Prefeito Dieter Janssen a minuta de um projeto que visa a implantação de uma guarda municipal armada em Jaraguá do Sul. Tal serviço, nas palavras de Lima, “daria suporte ao efetivo da Polícia Militar e ajudaria a coibir e diminuir a criminalidade”.

Para detalhar o projeto, Lima viajou e conheceu guardas municipais de outras cidades da região, como Balneário Camboriu, Florianópolis e Blumenau e ficou entusiasmado. “Em dois anos de atuação na Av. Beira Mar, os delitos praticados no local reduziram em mais de 90%. Diminuiu o tráfico de drogas, os assaltos à mão armada e a prostituição”, explicou.

Ao defender na tribuna durante a sessão de quinta-feira, o parlamentar recebeu apoio do presidente do Legislativo, José de Ávila (PSD), que questionou. “Quanto custaria para implantar e como funcionaria esse serviço? Lembro que o ex-prefeito Moacir Bertoldi tentou e confesso que é de grande importância para deixar nossa cidade melhor amparada”.

Para instalar órgão semelhante em Jaraguá do Sul, Lima acredita que seria necessário investimento mínimo de R$ 300 mil. A quantia financiaria a realização de um concurso público para a contratação de 30 agentes civis e a aquisição de equipamentos. “Cada agente custaria cerca de R$ 1.500 para o município. R$ 1.200,00 de salário mais os benefício como o adicional por periculosidade”, informou.

De acordo com o prefeito Dieter Janssen a busca dos vereadores por informações a respeito desse sistema é positiva. Mas, sua implantação ainda precisa de debate. “Acho que os vereadores estão certos em buscar alternativas. Mas, esse é um assunto que precisa ser debatido com as demais secretarias, as entidades dos bairros e a população”, concluiu.

Como funcionaria a Guarda Municipal
O projeto proposto dá à guarda as competências de proteger o patrimônio público, como escolas, unidades de saúde, prédios utilizados por órgãos municipais, ruas, praças entre outros, por meio do patrulhamento ostensivo e preventivo. Ela atuaria em colaboração com os fiscais municipais, com a Defesa Civil e atenderia a população quando necessário. “Quando há brigas de adolescentes em frente às escolas. Essa seria uma ocorrência que poderia ser atendida pela guarda e não pela Polícia Militar, que tem outras obrigações”, defendeu Lima. O efetivo também atuaria como agente de trânsito com a função de educar, orientar, fiscalizar e controlar o tráfego de veículos.


E você, é a favor?