Por: Ricardo Daniel Treis | 4 anos atrás

Para quem não acompanhou, a resposta veio quanto às declarações do presidente do Instituto Jourdan, Benyamin Parhan Fard, feitas na tribuna na última terça-feira.

Segue na íntegra release enviado pela Diretoria de Comunicação da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, junto ao vídeo com o discurso do vereador:

[youtube_sc url=”https://youtu.be/FHgWKwRNUCw” width=”650″ autohide=”1″ start=”3480″]

O vereador João Fiamoncini usou a Palavra Livre, na sessão de quinta-feira (26/03), para rebater crítica feitas por um secretário municipal, ao Partido dos Trabalhadores em âmbito nacional. O agente público havia solicitado tempo na tribuna para fazer retratação de compartilhamentos que havia feito em seu perfil no Facebook, mas ao usar a palavra aprofundou as críticas.

fiamonciniFiamoncini lembrou que “este cidadão, que não merece ter o nome citado nesta casa falou sobre corrupção, sobre o Partido dos Trabalhadores, como se fosse a única sigla no Brasil a estar envolvido nos casos em nível federal que são noticiados diariamente”.

O parlamentar citou que este distinto secretário municipal representa uma pasta que estuda o desenvolvimento da cidade e precisa muito de recursos federais. “Apesar de ter projetos protocolas em âmbito federal, veio até esta casa dizendo que é preciso sumir com a presidente Dilma e o ex-presidente Lula. Fala isso, porque para ele o governo não está bom porque ele deve ser de família rica, mas tenho certeza que as políticas públicas aplicadas auxiliaram milhares de brasileiros”, comentou.

Fiamoncini afirmou que é claro e transparente o que está acontecendo no Brasil. “Ele deveria ter vindo até aqui e citado todos os partidos envolvidos. Deveria ter citado o PP, partido do qual este senhor faz parte e que tem maior número de suspeitos no envolvimento com o caso Lava Jato com os 32 citados, o PT com oito, o PMDB com oito e o PSDB com dois suspeitos e assim por diante”.

Para ele todos os culpados devem ser investigados e presos. “Os casos são em nível federal. Aqui na câmara temos representantes de todos os partidos envolvidos, mas não fomos nós que fizemos isso. Foram as pessoas lá de cima que entram na política para se beneficiar. Também não podemos deixar de citar o envolvimento de empresários, pessoas do setor produtivo que forneceu a propina”, disparou o parlamentar.

João Fiamoncini também reforçou que é preciso sim investigar e prender os culpados, mas que não se condene apenas uma sigla partidária. “A corrupção tem que acabar em todos os níveis e esferas, seja nos pequenos ou nos grandes atos”, enfatizou. Em aparte, o vereador Jeferson de Oliveira disse que ficou constrangido pela permissão dada ao cidadão.

A presidente da Câmara de Vereadores, Natália Lúcia Petry, esclareceu que o pedido foi deferido pelo Mesa Diretora que concedeu dois minutos, porque o argumento usado pelo presidente do Instituto Jourdan é de que faria uma retratação. “A minha indignação e a da Mesa é de que ele utilizou de uma forma sorrateira para usar a palavra e por este motivo somos solidários aos vereador João”, pontou. Ela finalizou dizendo que todos são contra a corrupção e que ela está institucionalizada e não de partido A ou B, é também de empresários. Já o vereador Amarildo Sarti comentou que “não interessa quantos estão na lista, mas sim nos entendermos dentro desta casa, entender a vontade da comunidade jaraguaense, fazer o melhor pela cidade e fazer com que nossos exemplos valham para a sociedade.


Autoria:
Ricardo Portelinha
Diretoria de Comunicação
Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul
Fone: (47) 3371 25 10  Ramal 208 e 233
portelinha@jaraguadosul.sc.gov.br