Por: | 8 anos atrás

Muito legal esta reportagem do Jornal Nacional, veja abaixo.

 

Jornal Nacional convida você para uma viagem no tempo até dezembro de 2012, data de inauguração do novo Maracanã. A roupagem nova de um dos estádios mais charmosos do mundo, você vai conhecer agora com o repórter Eric Faria.

Bem vindo ao que restou do sessentão Maracanã. E a demolição não vai parar por aí: em dois anos, o estádio mais famoso do Brasil mudará completamente. O Jornal Nacional mostra com exclusividade o projeto do futuro palco da decisão da Copa de 2014.

Em uma visão panorâmica, o estádio ganha jeito de arena. É uma exigência da Fifa que todos os assentos tenham 100% de visibilidade. Os novos e luxuosos camarotes ganham um acesso funcional e requintado.

“Preenche todas as características das normas da Fifa, e com qualidade, com beleza, com tradição”, explica o presidente da Emop, Ícaro Moreno.

Chuva nunca mais: todos os 76.235 lugares serão cobertos. Entre as cadeiras vermelhas, mais espaço para circulação e para esticar as pernas. Mas não é só conforto, não.

Uma das mudanças mais significativas será também um presentão para o torcedor: o anel inferior da arquibancada ficará só a 13 metros da linha lateral. Ou seja, durante as partidas, será muito melhor pra reclamar, e, claro, comemorar o gol.

O Maracanã faz parte do imaginário de muitos brasileiros. Alguns fizeram do lugar a segunda casa como o ex-craque Zico: o maior artilheiro do estádio, com 333 gols, viu e aprovou.

“Eu achei espetacular. Eu acho que o Maracanã precisava de uma remodelação, sempre fui contra essa questão de demolição do Maracanã. Eu acho que o Maracanã poderia estar como vai ficar para a Copa de 2014”, disse o ex-jogador Zico.

Famosos, anônimos: nesta quinta-feira, os operários que estão trabalhando nas obras tiveram a chance de sentir como Zico. Era o dia da festa de fim de ano.

“Não tem nem como eu falar tanto, que eu fico emocionado”, conta um operário.

“Estou tendo um sonho, realizando um sonho”, conta outro operário.

Por alguns instantes, as máquinas pararam. As mãos que vão construir o novo Maracanã colocaram as redes. 12 jogadores de cada lado e ninguém preocupado com o estado do gramado ou com o gol mais silencioso do estádio.

“A emoção de fazer um gol no Maracanã é demais, uma emoção grande. Primeira vez”, conta outro operário.

Do entulho, das pedras, do ferro retorcido à modernidade: um novo Maracanã vai nascer, novas histórias serão contadas. Mas a felicidade da turma é a prova de que a magia deste lugar vai durar pra sempre.

Via JN.