Por: Ricardo Daniel Treis | 6 anos atrás

Matéria do AN:

Ir para o outro lado do mundo para assistir ao seu time de futebol fazer dois jogos pode parecer loucura. Mas para a torcida corintiana – que se autodenomina como um “bando de loucos”–, loucura e paixão não se diferenciam quando o assunto é o Timão.

Edmar Micheluzzi, 50 anos, sente na pele este amor, e é por isso que ele saiu neste sábado de Jaraguá do Sul com destino ao Japão, onde irá incentivar o Corinthians a buscar o bicampeonato do Mundial de Clubes.

Fã de carteirinha do Alvinegro, Micheluzzi já deu verdadeiras demonstrações de afeto pelo clube paulista. A maior delas ocorreu há mais de três décadas.

Em 1977, o Corinthians enfrentava um jejum de 22 anos sem títulos. Confiante de que veria o time sair da fila, ele pegou um ônibus e foi até São Paulo, quando tinha apenas 15 anos, para ver a final do Estadual contra a Ponte Preta.

Ele mostrou que é pé-quente. O Timão venceu e foi campeão do Paulistão. Sorte que ele espera levar na bagagem para o País asiático.

— Sempre existe o medo de ser eliminado, de perder antes, mas eu estou confiante. O time está focado e eu acho que vai dar Corinthians — acredita.

Apesar de o Timão não contar mais com Ado, Zé Maria, Wladimir, Rivelino – entre outros jogadores que Micheluzzi cita como alguns dos grandes nomes da história do time –, o catarinense não se intimida com uma possível final contra o Chelsea.

— Dentro de campo vão ser 11 contra 11. O Corinthians vai levar essa na raça e na vontade — profetiza o empresário.

O primeiro jogo do Corinthians será na quarta-feira, na cidade de Toyota, contra o vencedor do confronto entre Hiroshima- JAP e Al Ahly-EGI.