Por: Deivis Chiodini | 5 anos atrás

O UFC volta nesse sábado a Saitama Arena, onde na década passada aconteceram as maiores lutas do PRIDE, evento que dividia o mundo das lutas com o UFC até 2007, até ser comprado e extinto pelo mesmo. Nessa arena, brilharam Fedor Emelianenko, Minotauro, Cro Cop, Wanderlei Silva, Shogun, Dan Henderson e muitos outros que fazem parte da história do MMA. O público japonês ama as lutas, apesar de torcer de uma maneira um pouco diferente do ocidental, bem mais calado, entende muito e idolatra os lutadores. Para os fãs mais antigos do MMA (como esse que escreve), será uma oportunidade muito legal de pelo menos em partes, reviver aquela atmosfera que nos fez ficar acordado durante algumas madrugadas entre 2000 e 2007.

Com a recente onda de demissões e os recados de Dana White de quem não fizer lutas empolgantes terá o mesmo destino, a tendência é de combates eletrizantes. No card preliminar teremos a participação brasileira com Marcelo “Magrão” Guimarães e do ex participante do Ultimate Fighter americano e lenda do jiu jitsu Cristiano Marcello. Vamos a análise do card principal:

Kim Dong-Hyun x Siyar Bahadurzada (categoria meio médios): Dois lutadores que vem de vitória sobre o brasileiro Paulo Thiago se enfrentam buscando seu espaço na categoria. O sul coreano Kim Dong-Hyun precisa provar logo seu valor e que pode ser um aspirante a voos maiores, pois nas duas vezes que enfrentou adversários top 10, foi derrotado no primeiro round (Carlos Condit e Demian Maia). Uma boa chance de conseguir isso, seria vencendo de forma convincente o afegão radicado na Holanda, Siyar Bahadurzada, que estreou de maneira convincente nocauteando Paulo Thiago em apenas 42 segundos, o que lhe deu grande prestígio com a cúpula do UFC. Mas uma sucessão de lesões o fez ter duas lutas canceladas, o que diminuiu um pouco o hype ao seu redor, fato que mais uma boa vitória poderia retomar. Kim é um judoca muito experiente e seu jogo consiste em derrubar e ficar por cima pontuando, o que pode tornar a luta chata, mas é eficaz. Esse deve ser o caminho para o coreano, já que em pé Siyar tem uma grande poder de nocaute, trabalhando bem os seus potentes diretos e seu jogo de pernas. Se estiver com a defesa de quedas em dia, o afegão terá vantagem.
Palpite: Siyar conseguirá manter a luta em pé, e aproveitando seu melhor jogo de striker, nocauteará no segundo round.

Mizuno Hirota x Rani Yahya (categoria penas): Um confronto de estilos. Estreando no UFC, o japonês Mizuno Hirota vem do boxe, onde angariou suas melhores vitórias no MMA até hoje. Hirota também é um bom judoca, o que deve usar para tentar manter o confronto em pé, defendendo quedas. Hirota terá clara desvantagem, mesmo que caia por cima do brasileiro Rani Yahya, um faixa preta consagradíssimo no jiu jitsu, tendo inclusive no seu currículo um título do ADCC (maior evento de luta agarrada do mundo). Yahya vem de uma vitória com uma belíssima finalização na posição norte-sul e tentará levar essa luta pro chão, mesmo caindo por baixo, onde já mostrou uma guarda muito ativa e muitas raspagens. Yahya tem evoluído no jogo de pé, e deve simular a trocação até conseguir colocar a luta pra baixo. Sua maior experiência deve contar nessa luta.
Palpite: Yahya usará todo seu background e experiência, colocará o japonês logo pra baixo e finalizará ainda no primeiro round.

Yushin Okami x Hector Lombard (categoria médios): Luta entre top 10 da categoria dos médios, veremos em ação na sua casa, Yushin Okami, que tentará freiar o cubano e ex campeão do Bellator, Hector Lombard, que vem de boa vitória sobre o brasileiro Rousimar Palhares. Os 2 são judocas de altíssimo nível e isso colocará em xeque o jogo de ambos. Lombard tem um jogo em pé mais sólido, calcado em bons chutes baixos e golpes em linha. Sua dificuldade em usar isso contra Okami será encontrar a distância, haja visto a grande diferença de altura (1,88 do japonês contra 1,73 do cubano). Okami é considerado um dos grandes estrategistas do MMA, e terá que usar de sua notada paciência para contra golpear Lombard e levar o mesmo ao solo. Mesmo com ele por la, terá uma dura missão em manter o mesmo por baixo, haja visto a impressionante força física de Lombard. Essa luta tende a ser uma luta amarrada e um tanto quanto chata de se assistir, pois teremos Lombard tomando a iniciativa e Okami tentando frustar qualquer trocação, usando seu tamanho e “fugindo” no octógono com sua boa movimentação.
Palpite: Apesar de modorrento, o jogo do japonês se mostra muito eficiente. Acredito que Okami conseguirá derrubar Lombard algumas vezes, pontuando, e com isso levará a luta na decisão dos juízes.

Takanori Gomi x Diego Sanchez (categoria leves): Mais um herói japonês, o veterano do PRIDE, Takanori Gomi lutando em casa. Ele terá um osso duro de roer logo de cara, com o retorno aos leves do sempre atlético americano Diego Sanchez, vencedor do The Ultimate Fighter 1. Gomi é um conhecido striker, com uma mão esquerda potente, que pode nocautear com apenas um golpe. Mas o “Fireball Kid” como é conhecido vem pecando no seu condicionamento atlético e tendo muitas dificuldades quando colocado no chão, tendo sofrido finalizações nas suas últimas 4 derrotas. Não que Sanchez seja um exímio finalizador, mas seu jogo consiste em derrubar e ficar por cima pontuando. Dono de um gás invejável, é muito dificil conseguir colocar a luta de pé quando Sanchez consegue derrubar, e mesmo de pé, ele já mostrou ter um queixo duro e que aguenta pancadas. Gomi tera que tirar um coelho da cartola e conseguir sufocar o americano em pé logo no inicio buscando o nocaute, ou terá vida difícil frente a sua torcida.
Palpite: Sanchez dominará o combate todo com Gomi no chão, e vencerá por decisão dos juízes.

Mark Hunt x Stefan Struve (categoria pesados): Mais um antigo ídolo do PRIDE no octógono, o ex campeão do K-1, Mark Hunt tentará manter a boa fase em que vem de 3 vitórias seguidas contra o também embalado e top 10 da categoria, o holandês Stefan Struve, que vem de 4 vitórias consecutivas e precisa continuar vencendo para almejar um futuro title shot. Mark tem todo seu jogo baseado no Kickboxing, onde foi campeão do K-1 (maior evento de trocação do mundo) e seu jogo é todo em pé. Sua desvantagem esta na altura, onde mede apenas 1,78 contra os impressionantes 2,13 de Struve, não a toa chamado de “Arranha Céu”. Struve, tem uma boa base no kickboxing, uma tradição da escola holandesa, mas com certeza não irá arriscar enfrentar um lutador como Hunt numa trocação franca, ainda mais com o imenso poder de nocaute do veterano. Struve tem a seu favor, justamente o calcanhar de Aquiles de Hunt:
As finalizações. Hunt perdeu 7 vezes na carreira, e 6 dessas foram por finalizações, enquanto Struve tem 16 vitórias em que fez o oponente dar os três tapinhas. Com um bom jogo de guarda e com a vantagem da envergadura, quando Hunt aproximar para golpear abrirá muitas possibilidades de Struve colocar a luta no chão, e lá ele terá domínio completo
Palpite: Struve colocará pra baixo e la, bastará paciência para ajustar a pegada e finalizar Hunt no final do primeiro round.

Wanderlei Silva x Brian Stann (categoria meio pesados): Heróis nessa luta. O veterano da guerra do Iraque e ex campeão do WEC, Brian Stann retorna a divisão dos meio pesados, após ver suas chances de title shot caírem por terra nos médios, quando derrotado por Chael Sonnen e Michael Bisping em lutas eliminatórias. Do outro lado, um herói no Japão. Um samurai brasileiro. Wanderlei Silva construiu sua carreira no PRIDE, onde foi ídolo. É idolatrado até hoje no Japão e foi recebido com festa no aeroporto na chegada no país. Com certeza a Saitama Arena irá tremer, relembrando suas sequência de 20 lutas sem derrotas no Japão entre 1999 e 2004. Quando Sandstorm tocar (uma das mais famosas entradas do MMA, abaixo), e o Cachorro Louco entrar em direção ao octógono a nostalgia estará no ar entre os fãs mais antigos do MMA.

[youtube_sc url=”http://youtu.be/R-wCXgS_dYE” width=”640″ autohide=”1″]

Logicamente, Stann estará louco para estragar a festa. É notório que Wanderlei já não é o mesmo de antigamente e tem sofrido no octógono. Stann tem como sua principal arma o kickboxing e é um lutador que procura o combate a todo instante, sempre buscando nocautear. Com certeza tentará dominar o centro do octógono e fazer Wand andar pra trás, que é uma das dificuldades do brasileiro. Como a explosão de Wand já não é a mesma de outros tempos, ele terá que usar a mesma estratégia que usou na luta em que venceu Cung Lee. Ter paciência, manter sua guarda alta, contra golpear e sair, chutando as pernas do americano, até achar uma brecha na guarda do americano e explodir buscando o nocaute. Se essa luta passar do terceiro round imagino os 2 lutadores cansados (não costumam ter bom preparo físico) e ai qualquer erro pode ser fatal.
Palpite: Stann é favorito na bolsa, mas acredito que lutar no Japão dará uma motivação extra a Wanderlei, que conseguirá se manter focado e arrancará um nocaute usando seu famoso clinch de muay thai no segundo round.

Por Deivis Chiodini