Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás

Dada a confirmação do evento na semana passada uma das primeiras coisas que comentei com o Max foi: “Vamos bater um papo com os parceiros pra ver como vão se preparar pra essa.”

Não tenho referência para essa estatística, é chute duro, mas acredito que das 12.000 pessoas que a Arena comporta teremos ocupação de pelo menos 60% por pessoas de fora. É claro que tal qual nós a galera de Blumenau, Joinville e etc não vai dormir no ponto, assim como vejo potencial pra vir bastante gente de regiões acima do nosso Sul e, porque não, estrangeiros também.

É um evento que vai botar os olhos do mundo em nossa cidade. E como Jaraguá vai se comportar?

Tenho dois focos de pensamento no momento: os cidadãos e nosso comércio.

Como cidadãos, devemos pensar um pouco naquilo que podemos fazer para dar brilho ao evento e garantir que ele repita-se enquanto houver fôlego.

Entre os benefícios derivados, comecem pensando que o UFC vai encher os olhos de promotores de eventos de todo país para o potencial de nossa cidade, uma oportunidade de ouro para o enriquecimento das agendas de nossa cena cultural e esportiva.

Colaborar com o planejamento da comissão organizadora já é uma pequena grande coisa que podemos fazer. Além disso, podemos pensar na hospitalidade, na cortesia e no que podemos fazer para que tanto a cidade quanto a Arena sejam os locais perfeitos para produções desse porte.

Irmos de ônibus para a Arena é um exemplo, assim sobram vagas de estacionamento para os visitantes – e é nessa parte onde entra a responsabilidade de nosso comércio e prestadores de serviço. A Canarinho deveria pensar na ideia de criar linhas específicas no dia. Vão mostrar compromisso com nosso conforto e apoio à organização do evento numa simples tacada, onde ainda vão faturar dinheiro.

E é aí que vocês veem como a questão vai além. O que sua loja pode fazer para aproveitar o UFC? O que seu restaurante vai fazer? Sua academia? A palavra agora é tematização.

Estimados, aproveitem. Estamos com uma grande chance nas mãos, tanto para enriquecer nosso entretenimento quanto nossos bolsos.