Por: Deivis Chiodini | 3 anos atrás

reprodução67

Mais um final de semana em que o UFC fará dois eventos, para deleite dos fãs do maior evento de MMA do mundo. Começamos no sábado pela manhã com o UFC Fight Night 48, direto de Macau na China (7:30 da manhã, transmissão do Canal Combate). Após aquela cerveja gelada de sábado a tarde, é hora de novamente se ligar na frente da TV para o UFC Fight Night 49, direto de Tulsa em Oklahoma (19:30 da manhã, transmissão do Canal Combate), com brasileiro na luta principal. Separamos as duas principais lutas de cada evento e fizemos o preview pra você. Confira:

Dong Hyun Kim x Tyron Woodley (categoria dos meio médios): O co main event na China promete uma dura batalha entre dois top 10 dos meio médios. Dong Hyun Kim vem de 4 vitórias, as últimas duas com belíssimos nocautes sobre Erick Silva e John Hathaway. Já Tyron Woodley, após performances dominantes contra Josh Koscheck e Carlos Condit, acabou sendo dominado por Rory MacDonald, e terá que retomar o seu caminho das vitórias.

Uma batalha de recheada com muitos clinches, jogo de grade, tentativas de takedowns e controle posicional é o que teremos. Se os dois evoluíram no seu jogo de pé, com bons nocautes nos últimos eventos, a tônica ainda são as quedas e o controle posicional. Dong tem boa base no judô e costuma grampear seus adversários a fim de conseguir as quedas. Uma vez no chão, poucas finalizações no repertório, mas um bom ground and pound, que costuma lhe render bons pontos. Já Woodley é um wrestler de alto nível, com força pra clinchar e colocar o adversário na grade e trabalhar o dirty boxing, com golpes curtos e boas joelhadas contra o corpo. De costas no chão, costuma se complicar. Sua sorte é que a boa defesa de quedas e contra ataques potentes, o que evitam que fique nessa posição. O americano tem gás infinito e isso pode ser um diferencial, já que Dong já se mostrou mais frágil nesse quesito.

Palpite: Numa luta muito amarrada, o gás e maior força física de Woodley farão a diferença, numa vitória por decisão.

 

Michael Bisping x Cung Le (categoria dos médios): Um main event na China com um astro local é um escolha lógica para atrair o público. O astro de filmes e ex campeão do Strikeforce, Cung Le volta ao cage após um ano e meio parado, onde justamente em Macau nocauteou Rich Franklin. Ele terá pela frente o inglês sempre falastrão Michael Bisping, que tentará se recuperar de derrota para Tim Kennedy. Dessa luta pode sair o adversário de Anderson Silva no meio do ano que vem, caso o Spider vença Nick Diaz.

Cung Le é um trocador do mais alto nível, com base na arte marcial chinesa, o Sanshou. Ele prima por chutes rodados, socos giratórios e pisões no corpo que complicam a movimentação de qualquer adversário. Mas Le terá contra si a diferença de 15 cm na envergadura, o que fará com que ele tenha que encurtar a distância e ser alvo dos bons contra golpes do boxe ajustado de Bisping. Além disso, Bisping deverá tentar quedar Le e aplicar o ground and pound, minando o gás e a resistência do vietnamita, para tentar o nocaute técnico. Le sofre com a falta de gás, e Bisping deve tentar tirar proveito disso, sobrevivendo aos dois primeiros rounds, para dominar logo em seguida, como Wanderlei Silva fez contra Lee.

Palpite: Bisping, controlando a distância e levando por pontos.

 

Francis Carmont x Thales Leite (categoria dos médios): Chegamos a Tulsa, Oklahoma. Na luta que deveria ser o co main event, o pupilo de GSP, Francis Carmont tenta se recuperar de duas derrotas (para Jacaré e CB Dollaway). Uma terceira derrota pode custar o seu emprego no UFC. No outro córner, um ex desafiante ao cinturão que já passou por isso, vive um momento muito melhor. O brasileiro Thales Leite, após a derrota para Anderson Silva, foi cortado após mais um revés. Conseguiu boas vitórias fora da organização, voltou e hoje tem 3 vitórias consecutivas, a última com um belo nocaute sobre Trevor Smith no 1° round.

Carmont gosta de fazer aquele jogo típico de seu mentor, derrubando e controlando a posição, batendo e esperando uma brecha para pegar as costas, tentando finalizar. Mas ele terá dificuldades pra conseguir isso, por Thales é cria do jiu jitsu de Dedé Pederneiras, da Nova União, e mesmo por baixo tem bons ataques, com triângulos eficientes. Caso Thales consiga cair por cima, ele deverá tentar dominar Carmont, que já mostrou que é osso duro de ser finalizado, ao sobreviver a Ronaldo Jacaré. Na luta de pé, o americano gosta de chutar e usa isso como principal armar para encurtar e clinchar. Cabe a Thales mostrar sua evolução como striker, usando movimentação de pernas e contra golpes no boxe, para manter a luta de pé e controlar as ações.

Palpite: Numa luta que tende a ser muito equilibrada, vou no melhor momento de Thales, por finalização no 3° round.

 

Ben Henderson x Rafael dos Anjos (categoria dos leves): O main event de Oklahoma promete alto nível técnico. Quando você tem um lutador como o ex campeão Ben Henderson e no outro lado, o lutador que mais evolui na categoria como Rafael dos Anjos, você pode esperar uma luta do maior quilate em qualquer lugar que ela se desenvolva. Bendo vem de duas vitórias sobre Josh Thomson (garfaço!) e Rustam Khabilov (com um belo mata leão). Já Rafael, que teve sua série de cinco vitórias interrompidas por Khabib Nurmagomedov, se recuperou prontamente com um nocaute técnico contra Jason High.

No quesito trocação, Bendo mostra boa variedade de golpes, com trocas de base, sequências 1-2, mas costuma apresentar falhas na defesa, que podem ser uma brecha para o muay thai de bom nível de Rafael, treinado por Rafael Cordeiro. Dos Anjos deve tentar usar os chutes para manter Bendo a distância e evitar o clinche, onde Bendo é muito forte. Rafael também terá que evitar as quedas de Bendo (o que foi seu calcanhar de Aquiles contra Khabib), pois Bendo controla muito bem as posições. Não vejo Rafael sendo finalizado, e mesmo da guarda, numa posição não confortável, ele tem um jiu jitsu de melhor qualidade e pode sim tirar uma submissão da cartola. O problema no chão é ser amassado e amarrado por Bendo, que gosta de pontuar dessa maneira.

Palpite: Torcendo muito para estar, aposto numa decisão apertadíssima a favor de Ben Henderson