Por: Max Pires | 7 anos atrás

Nenhuma das testemunhas convocadas para depor nesta sexta-feira à Comissão Processante da Schützenfest da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, formada pelo presidente Jaime Negherbon (PMDB), o relator Amarildo Sarti (PV) e o integrante Justino Pereira da Luz (PT), compareceu. O primeiro depoimento agendado era do ex-secretário de Administração e da Fazenda e marido da prefeita Cecília Konell, Ivo Konell, que não foi encontrado para receber a notificação.

A dona da Bebidas Príncipe de Joinville, Maria Madalena Espíndola, para a qual a organização da festa está devendo em torno de R$ 380 mil, e era uma das mais exaltadas na primeira reunião para discutir o assunto, em 27 de novembro de 2009, estaria doente e com atestado médico de três dias; o dono da empresa Fábrica do Show Projetos Culturais e Produções Ltda, Genilson Medeiros, justificou que estava em viagem a Porto Alegre e que considera que já disse que tudo o que tinha que dizer em depoimento à Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Schützenfest. O vereador e presidente da CEI da Schützenfest, Jean Leutprecht (PCdoB), estaria em Florianópolis.

O advogado da prefeita Cecília Konell, Moacir Silveira, justificou nesta sexta a ausência dela na quinta-feira pela manhã. A prefeita, que seria a primeira a depor na condição de denunciada, argumentou que estava ainda em Brasília.