Por: Gabriela Bubniak | 2 anos atrás

Bombeiros, Samu, polícias… Quase todos temos esses contatos para acionar em uma situação urgente,  mas você sabia que, para cada caso, há um serviço específico? Bombeiros e Samu fazem o melhor exemplo: eles não são a mesma coisa.

Pode parecer confuso, mas não se preocupe, que abaixo explicamos tudo para você, e também informamos números de atendimento que talvez você não fizesse ideia estariam disponíveis. Compartilhe com os vizinhos. 😉

giroflex

– Bombeiros Voluntários

Em quais situações chamar: Têm a missão de proteção de vidas, patrimônio e meio ambiente. Atuam em ocorrências onde há traumas, como atropelamentos, colisões, capotamentos, acidentes de trânsito em geral, ou agressões, ferimentos por arma de fogo ou por arma branca (objetos cortantes, contundentes), quedas, queimaduras ou soterramentos.

Também atuam na proteção dos cidadãos em caso de contato com animais que possam atacar. É o caso do enxame de abelhas, por exemplo (o que já aconteceu algumas vezes na região). E atuam na prevenção e combate a incêndios, vazamentos de gases ou produtos químicos e tóxicos, atividades de defesa civil, busca e resgate em meio terrestre e aquático.

Número: 193

– SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência)

Em quais situações chamar: O Samu é o serviço médico brasileiro utilizado em caso de urgências e emergências médicas. Atende solicitações do tipo clínicas, como, por exemplo, um caso de infarto, derrame, quando alguém passa mal, uma criança está com febre muito alta, quedas, acidente de trânsito com traumas e atropelamento, sangramentos, intoxicação ou envenenamento, queimaduras graves e outros casos. Também pode ser acionado em caso de morte natural, em casa. É a partir do Samu que será feito o contato com IML (Instituto Médico Legal).

O atendimento é feito com ambulâncias, em qualquer lugar: residências, locais de trabalho e vias públicas. A equipe reúne médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e socorristas, que atendem às urgências de natureza traumática, clínica, pediátrica, cirúrgica, gineco-obstétrica e de saúde mental.  Em situações de maiores proporções, o Samu e os bombeiros trabalham juntos.

Número: 192

– Polícia Militar (PM)

Em quais situações chamar: Atende em casos de riscos, ameaças contra a vida, denúncias de roubos, acidentes de trânsito, atentados, ocorrências de perturbação e crimes, garantindo a proteção pública.

Número: 190

– Polícia Civil (PC)

Em quais situações chamar: Atua no chamado de denúncias de porte de arma, drogas, tráfico e outros, algumas vezes em conjunto com a Polícia Militar. Um pouco diferente da PM, a Polícia Civil trabalha em situações de investigação de crimes e no cumprimento de mandados de mandados de prisão.

Número: 197

– Polícia Rodoviária Federal (PRF)

Em quais situações chamar: A PRF Fiscaliza diariamente rodovias e estradas federais, e atua no registro e atendimento de ocorrências de acidentes entre veículos. Na nossa região, ela toma conta da BR-280, rodovia que leva à vizinha Guaramirim e também à Corupá; e também da BR-470, que leva a Blumenau.

Número: 191

– Polícia Rodoviária Estadual (PRE)

Em quais situações chamar: Atende a sociedade em casos de ocorrências em rodovias estaduais como pedidos de socorro e reclamações. Temos próximo a SC-108 (Rodovia do Arroz), a SC-416 (entre Jaraguá e Pomerode) e a SC-418, que passa por Massaranduba e chega a Joinville.

Número: 198

– Defesa Civil

Em quais situações chamar: atua em casos de alagamentos e enchentes, processos erosivos, derramamento de óleo em via pública, pontes com a infraestrutura abalada e demais casos de emergência. A Defesa Civil é responsável em precaver, socorrer, assistir e ajudar na recuperação da população em caso de desastres, sejam chuvas ou outras situações de risco. Para denúncias e pedidos de auxílio, ligue no 199.

Número: 199


Agora ficou mais fácil, né? Se você não tem a memória boa (assim como eu 😛 ) a dica é anotar esses números em um papel pequeno, que dê para guardar na carteira, ou salvar no celular mesmo, assim não tem perigo de esquecer na hora do desespero.