Por: Sistema Por Acaso | 4 anos atrás

17042149

Só no Brasil, são cerca de 12 milhões de portadores de diabetes e no mundo o número chega a 390 milhões.

Cada vez mais, soluções tecnológicas têm sido desenvolvidas para facilitar a vida dos pacientes diabéticos. É o caso do aplicativo Minsulin, que foi criado em Santa Catarina e conta com 3 mil downloads.

A tecnologia permite controlar e armazenar as informações dos testes de glicemia feitos, em média, três vezes ao dia. Além de calcular a dose de insulina a ser aplicada com base nos carboidratos dos alimentos, atividades físicas e período do dia, o app gratuito permite o armazenamento de dados e a disponibilidade deles para o médico, por exemplo.

Diogenes de Oliveira Silva, anestesiologista e diretor de tecnologia e desenvolvimento do Minsulin, afirma que a meta é ter a versão para Android até o fim do ano – só existe para iOS – além de desenvolver um sensor de glicemia intersticial.

Ou seja, um sensor pouco maior que uma moeda de R$ 1, inserido embaixo da pele, que faria medições a cada cinco minutos e enviaria os dados via wireless para o smartphone do usuário. Em casos de emergência, como quando detectar o risco de hipoglicemia, o sensor pode informar o paciente, avisar familiares e até acionar o socorro.

Além do aplicativo Minsulin, uma rede colaborativa pretende levar informações e educação aos pacientes de diabetes e de hipertensão. O projeto Maisha Saúde Móvel, de Blumenau, envolve o conceito de co-criação em saúde – colocar o paciente no comando da própria saúde.

– O médico não é dono da informação e da saúde do paciente, ele é um facilitador – afirma o cirurgião plástico Leonardo Aguiar, que desenvolveu o projeto no Social Good Brasil em parceria com Marisângela Brittes.

O sistema, gratuito aos pacientes, integrará todos os profissionais envolvidos no tratamento dos diabéticos e hipertensos, que poderão trocar informações, orientar o paciente e tirar dúvidas. Além disso, será possível armazenar informações. A comunicação se dará através de SMS e o sistema deve ser ampliado para mais pessoas em janeiro. Os interessados já podem se inscrever na página do projeto.