Por: Deivis Chiodini | 3 anos atrás

Ele está de volta! Goste dele ou não, não há como negar que Anderson Silva é um dos maiores (na minha humilde opinião, o maior) lutadores de MMA de todos os tempos. Após a terrível lesão sofrida na perna em dezembro de 2013, ele retorna contra o polêmico Nick Diaz, num dos melhores cards dos últimos tempos.

andersonsilva_nickdiaz-ufc-evelynrodrigues

No co main event Kelvin Gastelum e Tyron Woodley duelam para definir quem entra em definitivo na briga por um title shot entre os meio médios. Ian McCall e John Lineker fazem duelo que pode definir o próximo o próximo desafiante entre os moscas, enquanto Thales Leites e Tim Boetsch brigam pelo top 10 dos médios. Thiago Pitbull tenta parar a sensação Jordan Mein e voltar ao sol, após longo período lesionado. Ainda tem Thiago Marreta, Ildemar Marajó, Diego Brandão e Rafael Sapo. Não perca por nada! Cobertura do Canal Combate a partir das 22 horas:

Ian McCall x John Lineker (categoria dos moscas): Essa luta era para ter acontecido em novembro, mas logo após a pesagem, McCall passou mal e a luta teve de ser cancelada, numa categoria onde os outros principais desafiantes ja foram derrotados pelo campeão, essa pode ser a luta que defina o próximo postulante ao cinturão. Dono de movimentação insana, muay thai de elite, McCall é um dos que melhor faz a transição pé/solo, com bom controle de posição no ground and pound. Sua maior envergadura pode ser fundamental, evitando o infight e controlando o brasileiro. Já Lineker tem no boxe seu carro chefe. Dona de uma potência incrível para divisão, Lineker é um boxeador fluído, com belos golpes no corpo e combinações que terminam com o cruzado contra o rosto. A defesa de quedas, antes ponto fraco, demonstra evolução e o permitiu na última luta manter sua estratégia.
Palpite: A maior movimentação e controle da distância farão a diferença numa luta apertada. McCall por decisão.

Jordan Mein x Thiago Pitbull (categoria dos meio médios): Com apenas 25 anos, Jordan Mein já tem a incrível marca de 29 nocautes. Dono de excelente condicionamento físico e agressividade, ele usa a grande envergadura para soltar jabs constantes e com grande potência, belas combinações do kickboxing, além de potentes joelhadas no thai clinche. Sua defesa de quedas é boa, o que lhe permite manter-se em pé, onde se sente mais confortável. Já Pitbull, parece apenas uma versão mais compacta de Mein, com mais qualidade no solo. Acostumado a enfrentar adversários maiores, Thiago usa as combinações chutes no corpo e altos, com bombas de esquerda para cortar a distância. Dono de grande poder de nocaute, Thiago tem bom jogo de chão e trabalho de clinche, e caso consiga encurtar a distância, pode ser uma boa arma pro brasileiro.
Palpite: Numa guerra de caneladas, thai clinche e cruzados, Pitbull na decisão.

Thales Leites x Tim Boetsch (categoria dos médios): Um sempre oscilante Tim Boetsch busca uma vitória para adentrar o top 10 da categoria. Vindo de bom nocaute sobre Brad Tavares, ele vai apostar na sua receita de sempre: Queixo dos mais resistentes do MMA, trabalho de clinche e dirty boxing e duas pedras em vez de punhos. O jogo de chão é o calcanhar de Aquiles, apesar da razoável defesa de quedas. Thales Leites ressurgiu para o UFC, de onde havia sido demitido em 2009. Desde a sua volta, venceu todas as 4 lutas, sendo as duas últimas com impressivos nocautes, faceta adicionado a pouco em seu jogo. O trabalho de clinche também evoluiu, mas trocar na curta distância contra Boetsch pode ser arriscado. Thales deve trocar só o necessário para deixar seu adversário na dúvida, encurtar e por a luta pra baixo, onde leva ampla vantagem, com seu high level jiu jitsu moldado na Nova União.
Palpite: Thales esta voando baixo e vai finalizar no famoso katagatame no segundo round.

Tyron Woodley x Kelvin Gastelum (categoria dos meio médios): Após vencer o TUF 17,o ainda invicto Kelvin Gastelum era visto como uma promessa. Mas após finalizar Jake Ellenberger e chegar a sua quinta vitória no UFC, ele se tornou definitivamente uma ameaça na corrida pelo cinturão. Wrestler do mais alto nível, Gastelum adicionou ao seu jogo de abafa, uma trocação na média distância, com boas combinações, que lhe ajudam a chegar no clinche e consequentemente na queda. O jogo de chão apareceu contra Ellenberger. Junte tudo isso a apenas 23, muita disposição e vigor físico acima do normal para categoria, e ai está um dos nomes mais promissores para os próximos anos.
Mas se o wrestling é o carro chefe de Gastelum, seu adversário também o tem como ponto forte. Woodley foi All American três vezes pela universidade de Missouri. Dono de força física assombrosa, ele costuma, travar seus oponentes na grade e trabalhar joelhadas e o dirty boxing. Seu ground and pound é de bom nível e na luta de pé, apesar de pouco talento, ele tem uma poderosa direita, capaz de fazer dormir qualquer um.
Palpite: Numa luta muito equilibrada, com muitas trocas de posição na grade, vou com a juventude de Gastelum, por pontos.

Anderson Silva x Nick Diaz (categoria dos médios):

O dono do maior reinado do UFC retorna contra ninguém menos que o ex campeão meio médio do Strikeforce e um dos mais amalucados (e igualmente talentoso) lutadores que já pisaram no UFC. Nick Diaz, que vem de derrota para GSP, vive em brigas com Dana por mais dinheiro, disse que havia se aposentado, etc. Dono de muito trash talk, principalmente dentro do cage, Diaz é um dos melhores boxeadores do MMA, soltando golpes de todos os ângulos durante 25 minutos, mas contra Anderson ele terá a dificuldade da menor envergadura e força física. Seu condicionamento físico é impressionante e seu queixo muito duro. A defesa de quedas ainda é o ponto fraco, mas sua guarda é extremamente ativa e criativa, com destaques para os triangulos e armlocks. O problema para Nick é que do outro lado estará um lutador excepcional. Anderson Silva só precisa estar com o psicológico em dia após a lesão. Se o wrestling defensivo ainda é o ponto fraco, o chão também se mostra suficientemente forte para sobreviver a uma eventual queda de Nick. Valendo-se da maior envergadura, Anderson deve apostar na trocação, controlando Nick com constantes chutes baixos e abusando do jab e dos golpes retos nas investidas de Nick para cortar distância. Caso o americano consiga encurtar, Anderson pode optar pelo clinche, usando as joelhadas no corpo e as cotoveladas curtas para deter o impeto de Nick. Promessa de luta épica.
Palpite: Após castigar muito Nick, que vai resistir bravamente, Anderson vencerá por nocaute no terceiro round.