Por: Ricardo Daniel Treis | 8 anos atrás

Um dia Deus não fará chuva, sol, calor ou frio, só para testar a capacidade humana de discutir conteúdo.

Conversas sobre celebridades e programas de TV ganharão mute: qualquer um que tocar no assunto não emitirá som, será como falar no vácuo.

Se o silêncio percebido na humanidade for de 51%, o criador vai apertar reset. Puf!

O homem ele vai fazer do barro novamente, a mulher da costela, e na cabeça dos dois vai botar um pouco de cafeína e guaraná, que é pra terem menos de preguiça de pensar.

Vendo que foi bom, vai descansar o sétimo, oitavo e nono dias, porque o homem, enfim, começou a se virar sozinho.


Quanto à preguiça de pensar, deixa eu ainda dizer: há a necessidade da existência do estupidificante. Considero o desligamento do cérebro algo importante para manter a sanidade, o problema é que poucos percebem quando estão viciados nisso. No que menos se espera, na mesa só se discute sobre pessoas, o time de futebol, o programa de TV e as coisas feitas no final de semana passado.

O edificante têm ficado em casa, na gaveta de baixo do criado-mudo, onde dá menos trabalho. E isso é uma droga.