Por: Ricardo Daniel Treis | 7 anos atrás

Outra do “Guia Politicamente Incorreto da Filosofia”, de Luiz Felipe Pondé.

A vocação infernal da mulher para querer ser sedutora o tempo todo deve ser vista, segundo a ala politicamente correta que vê a vida como balada adolescente eterna, como um direito de toda cidadã, e por isso ninguém pode envelhecer ou superar a histeria do desejo sem se sentir uma “velha” infeliz. Isso faz das mulheres uma infantaria de paquitas velhas que continuamente devem se superar nos modos de parecer jovens e sedutoras. Aquilo que é destino maldito (querer ser sedutora sempre) é erguido em categoria de direitos humanos, obrigando-as a ficar cada vez mais intratáveis na sua sede de ser sempre gostosas como vampiras sem charme. A alma, coitada, sempre vítima do corpo, agoniza sob o salto da histérica eterna que agora caminha sob o mundo com ares de revolucionária.

“Você tem o direito de ser linda” empurrou o grupo farmacológico/cosmético/cirúrgico, e o “direito” virou postura. Agora é “ai de você se não for linda”, e ai de quem dizer que as mulheres não precisam ser lindas para estarem satisfeitas (uma condição não absoluta) consigo mesmas.