Por: Ricardo Daniel Treis | 3 anos atrás

IMG_4975-Copy-e1435146693531-640x250

Segue o artigo publicado por Patrícia Moraes, em sua coluna de ontem no jornal O Correio do Povo:

Em 2013, quando a polêmica começou, fui uma das poucas vozes a defender que o melhor horário para as sessões ordinárias da Câmara é à tarde. E fiz porque sabia que a realização delas às 18h ou às 19h não é sinônimo de participação popular. Basta ver o que acontece atualmente, cadeiras completamente vazias, muitas vezes nem os assessores dos vereadores ficam para os encontros.

Ao contrário do que muita gente imagina, poucas sessões têm apelo de público, a maioria versa sobre questões burocráticas da administração pública e legislação, sendo a imprensa o principal veículo capaz de traduzir à sociedade o que acontece. Claro que em algumas situações é essencial que a Casa de Leis esteja aberta para debates mais amplos, esses sim depois do horário de expediente do trabalhador. E é isso que prevê um projeto que deve ser apresentado nos próximos dias com assinatura de todos os parlamentares.

O objetivo é estipular entre 15h e 15h30 o horário para a realização das sessões ordinárias com a previsão de que audiências públicas, sessões solenes, a programação do Câmara.Com Você e votações que provoquem ampla discussão na sociedade sejam marcados para mais tarde. É uma atitude sensata dos vereadores, que devem se preparar para argumentar com a turma do contra, a mesma que nunca, ou quase nunca, participa, mas que tem sempre uma crítica feroz na ponta da língua.