Por: | 8 anos atrás

O presidente da Comissão Processante da Schützenfest, vereador Jaime Negherbon (PMDB), confirma a realização da sessão especial de julgamento da prefeita Cecília Konell para esta quarta-feira, às 14 horas, no auditório do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de Jaraguá do Sul e Região (STIV), conforme agendado pela presidente da Casa, Natália Lúcia Petry (PSB).

A sessão foi solicitada depois que o relatório de autoria do vereador Justino Pereira da Luz (PT), aprovado pela comissão na segunda-feira, pede a cassação e responsabiliza a prefeita, como ordenadora primária e gestora pública, por infração político-administrativa no repasse de dinheiro público para a empresa privada que terceirizou a Schützenfest no ano passado e deixou para trás um rombo ainda não calculado, mas que superaria os R$ 600 mil, entre outras irregularidades.

A Prefeitura tentou de todas as formas adiar a sessão de julgamento, que acontece às vésperas da abertura de mais uma edição da Schützenfest. A assessoria da comissão tentou por três vezes notificar a prefeita entre segunda e terça-feira, porém, na Prefeitura, a informação é de que ela estaria em audiências externas. Sua filha e chefe de gabinete, Fedra Konell, informou que a mãe está em Florianópolis, de onde só deve voltar na quinta-feira.

Ainda na manhã desta quarta-feira, em outra tentativa de atrasar o processo de julgamento, o advogado Moacir Silveira, nomeado por Cecília para defendê-la, protocolou às 10h42, na Câmara, um documento informando que renunciou aos poderes que lhe foram conferidos e sugerindo que a prefeita fosse notificada para nomear outro procurador.

No final da tarde, quando a presidente confirmava que a sessão ocorreria de qualquer forma, veio a informação de que o ex-procurador da Prefeitura Volmir Elói era o novo defensor da prefeita.

A decisão de dar prosseguimento ao julgamento se baseia no fato de que a prefeita foi amplamente comunicada da decisão e que a comissão deu-lhe amplo direito de defesa prévia e de instrução durante todo o processo, bem como o relatório final foi levado ao conhecimento da denunciada, que, na opinião da comissão, estaria tentando ganhar tempo para que o prazo de conclusão de 90 dias de trabalho da comissão, que vence no dia 11, estourasse.

A assessoria da comissão também entrou com uma representação junto a seccional local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) comunicando o comportamento do advogado Moacir Silveira, que se negou a ser notificado e renunciou às vésperas do julgamento.

Jornalista responsável: Rosana Ritta – Registro profissional: SC 491/JP