Por: Anderson Kreutzfeldt | 3 anos atrás

wallpaper-how-i-met-your-mother-barney-stinson-whisky-episode-Barney-Stinson

Repostei nessa semana alguns textos que havia publicado em um outro portal, no qual trabalhei, e devido aos elogios recebidos dos leitores, republico também esse texto que teve boa repercussão no passado. Lembro que o texto é de dois anos atrás e qualquer erro revisional deve ser relevado. Aceito também o feedback e opiniões contrárias dos leitores 😉

Espero que gostem:

Esses dias tive uma breve discussão com uma amiga minha que já está há anos no mesmo relacionamento “vai-e-volta”. Eles tem os dramas deles juntos, terminam o namoro e começam a ser dramáticos e depressivos sozinhos. Todo mundo tem um amigo(a) assim, eu mesmo já tive um relacionamento “vai-e-volta”. Mas por que as pessoas insistem tanto? Se você perguntá-las, elas dirão que é por AMOR.

Ah, o amor. O amor é uma coisa linda e no fundo é o que todos nós buscamos… O amor é foda, nos deixa sem palavras e sem reação, nos enlouquece. Mas não! Nem todo relacionamento tem amor. Arrisco-me a dizer (e ressalto que estou observando de fora) que poucos casais hoje em dia tem realmente AMOR. O amor que eu sinto pelos meus amigos é muito mais forte do que o amor de Romeu & Julieta que alguns casais insistem em dizer que tem. E todo mundo quer estar amando e deveríamos amar o tempo todo, mas infelizmente a vida não é perfeita (e nem o amor).

Então por que diabos as pessoas insistem em relacionamentos fracassados? Por que insistem em usar as pessoas como arapucas humanas para matarem as suas próprias carências em seus diversos níveis? A resposta é muito simples: Ser solteiro não é pra qualquer um.

Ser solteiro é assumir um compromisso com você mesmo todos os dias e a maioria das pessoas não é forte o bastante para isso. Uma pessoa solteira que compreende exatamente o que é ser solteira não se sente sozinha em um minuto sequer. Eu mesmo, como já disse antes, já tive relacionamentos impulsionados pela carência. E hoje? Hoje eu acredito que sou a melhor forma de entretenimento que posso encontrar. As pessoas? As pessoas me divertem! As mulheres? As mulheres me fascinam. Mas EU? Eu sou o mais importante nisso tudo, pois a minha felicidade depende pura e unicamente de mim. Eu me amo, galera! (: E amar a si próprio talvez seja o tipo de AMOR mais díficil de se conceber.

Agora, se você está em um relacionamento fadado ao fracasso e não tem a menor ideia de quem você realmente é, pare de brincar de casinha e vá ser feliz. O tempo depois de um término geralmente é um pouco díficil, mas é quando você descobre quem você realmente é. Namorar é bom, namorar é legal, namorar é até mesmo um sonho, desde que você esteja preparado para isso. O problema é que a maioria das pessoas não está, elas não conhecem a si mesmas, não conseguem aproveitar os prazeres de suas próprias companhias.

Quando for a hora certa de namorar e falar de amor (eu me refiro nesse caso ao amor romântico e não a amor de pai e mãe ou o amor que você tem pelo seu cachorro) você saberá. A minha hora ainda não chegou e eu agradeço aos céus todos os dias por isso. Quando chegar a hora… Bem, aí eu estarei disposto a largar a vida de solteiro e me focar em um relacionamento livre de dogmas, sem pensar duas vezes.

E aí, gostaram? Quem quiser acompanhar esse serviço sem fins lucrativos mais de perto pode curtir a página e receber todas as novidades no Facebook: