Por: Max Pires | 24/06/2010

A presidente da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, Natália Lúcia Petry (PSB), comprometeu-se na última sessão em chamar os vereadores para uma reunião onde devem voltar a discutir a ampliação da atual sede do Legislativo ou construir uma sede própria. A obra, segundo Natália, é um projeto da atual legislatura que estava um pouco deixada de lado em função de uma série de outros assuntos igualmente importantes que a Câmara vem debatendo e realizando, mas é consenso entre os vereadores que o assunto precisa ser retomado.

Quem levantou o assunto agora foi vereador Isair Moser (PR), o Dico, que aproveitou mais uma sessão de plenário totalmente lotado, na sessão de terça-feira, para fazer um apelo à presidente Natália para que ela repense o projeto de expansão da sede atual ou da construção de uma sede nova para o Legislativo.

Moser destacou a sua satisfação, compartilhada pelos demais colegas, de ver o plenário lotado durante as sessões, ainda mais agora que o Legislativo tem recebido em média 50 alunos de ensino médio dentro do projeto Câmara. Com Você. Porém, a capacidade do plenário, de 82 lugares, tem se revelado insuficiente.

Tanto que há umas cinco sessões grande parte do público fica em pé, e nas duas últimas sessões os setores administrativo e de cerimonial ainda tiveram que improvisar um telão na sala de reuniões para receber os estudantes, e ainda ficaram muitas pessoas em pé. “Quem vem aqui para assistir à sessão ao vivo, não faz sentido ver por um telão”, observou o vereador.

Ele ainda destacou o desconforto do ambiente de trabalho para os funcionários, que está no seu limite, e nos gabinetes, onde nos espaços reduzidos de menos de 10 metros quadrados trabalham duas pessoas e quando o vereador dá expediente não tem nem condições de receber ninguém, por falta de espaço e de privacidade.

E, se cumprida a previsão de ampliação do número de vereadores dos atuais 11 para 19, a Câmara não tem espaço para abrigar mais oito gabinetes e receber mais 24 pessoas – oito vereadores e 16 assessores.

Amarildo Sarti (PT) elogiou a coragem do vereador em destacar este assunto importante que já esteve em pauta e pediu que os colegas comecem a repensar o assunto lembrando a ampliação do número de vereadores.

O vice-presidente da Casa, Lorival Demathê (PMDB), recordou a possibilidade discutida de a Câmara adquirir um terreno ou promover uma permuta com a Prefeitura. Ele também falou que os gabinetes não têm condições de receber ninguém e que o plenário é pequeno.

“Temos esta responsabilidade”, concordou Natália, lembrando que a sede nova é planejamento desta legislatura e não somente da atual presidente. A ideia, segundo a presidente, é em 2010 buscar aquisição ou permuta de um terreno, em 2011 realizar o processo licitatório da obra e em 2012 concluí-lo, entregando-o pronto para a próxima legislatura que vai assumir em 2013, com a estrutura adequada que este poder merece.

Natália lembrou que quando a Câmara começou a divulgar esta intenção, vieram críticas. Ela disse que entende a reação da comunidade, que argumentou que há outras prioridades para serem atendidas no município, como postos de saúde e mais médicos, falta de creches, de obras e infra-estrutura, mas entende que a construção de uma sede ou ampliação desta se faz necessário para a próxima legislatura e o assunto deve ser trazido à discussão e discutido entre os vereadores e com a comunidade, que, afinal, é a dona desta Casa.

A presidente se comprometeu em discutir o assunto antes do recesso para dar encaminhamento no futuro semestre. “Não somos eternos aqui, os futuros vereadores é que vão usufruir desta Casa”, lembrou Moser.

Jornalista responsável: Rosana Ritta – Registro profissional: SC 491/JP