Por: Gabrielle Figueiredo | 1 ano atrás

No mundo todo, hoje em dia, há um excesso de uso de medicamentos, seja para baixar a febre, reduzir as dores ou diminuir os processos inflamatórios. Dentre os medicamentos, os mais conhecidos são o paracetamol e o ibuprofeno, que já caracterizam uma geração de dependência. Mas, sempre é possível mudar essa realidade, não?

E uma das formas de cuidar da saúde é conhecendo ervas que nos possam ajudar. Veja algumas:

Gengibre

gengibre

Vários estudos realizados na Universidade de Odense, na Dinamarca, apontam que o gengibre (Zinziber officinale) tem efeitos anti-inflamatórios superiores aos do ibuprofeno, fármaco não esteroide dos mais usados.

Gengibre é antibiótico, anti-inflamatório, acalma o sistema digestivo, eficaz no controle de náuseas e vômito, acalma a dor de cabeça e a enxaqueca, estimula o sistema imunológico, protege o cólon contra as lesões cancerosas, elimina as células cancerígenas no câncer de ovário, ajuda em processos de desintoxicação alimentar, alivia a dor da artrite, osteoporose e muscular, alivia os sintomas de inflamação, protege contra a formação de úlceras estomacais, seu uso é benéfico no combate das doenças arteriais coronarianas. Muitos outros usos são relatados na literatura fitoterápica.

Cúrcuma

curcuma

A cúrcuma (Curcuma longa) é usada há quatro mil anos e se sabe que possui propriedades anti-tumorais, antioxidantes, antiartríticas, anti-inflamatórias, antivirais, antibacterianas, antifúngicas. Segundo uma publicação do Advanced Experimental Medical Biology (2007) “A cúrcuma tem potencial contra diversas doenças como diabetes, alergias, artrites, mal de Alzheimer e muitas outras doenças crônicas”.

Salgueiro-branco

salgueiro-branco

Do salgueiro branco (Salix alba) usa-se a casca como analgésico, antiinflamatório, antipirético, anticoagulante, calmante, adstringente e desintoxicante. É comumente usado em tratamentos de dores de cabeça e enxaqueca (junto com unha-de-gato e anis-estrelado, para suavizar seu sabor amargo), dores menstruais, ciática, fibromialgia, dores musculares e reumáticas. Também pode ser usado como sedativo natural, pois seu chá promove o sono.

Em uso tópico, é usado para tratar calos e verrugas, queimaduras e feridas, infecções de pele, infecções bucais, inflamação da garganta. Tem efeito semelhante à aspirina em casos de febre gripal, sem causar rejeição estomacal. Estes são apenas alguns dos usos do salgueiro, cujo princípio ativo é a salicilina.

Unha-de-gato

unha de gato

É um poderoso anti-inflamatório, eficaz para tecidos e terminações nervosas, descongestionante, bactericida, antimutagênico e citostático útil nos tratamentos de tumores cancerígenos, desintoxicante renal e intestinal, promove a cura em casos de diverticulite, colite, hemorroidas, fístulas, gastrite e úlceras. Cura parasitoses, desequilíbrios da flora intestinal e doença de Crohn. Alivia alergias químicas e de polem, bronquites e asma. Como antiviral, já demonstrou sua eficácia em herpes genital, herpes zoster e AIDS. Inibe a coagulação e estimula o sistema imunológico.

A unha-de-gato medicinal pertence a duas espécies, Uncaria tomentosa e Uncaria guianensis, trepadeiras lenhosas de ocorrência na floresta Amazônica e outras áreas tropicais da América do Sul e Central. Estes são medicamentos muito usados na América Latina, em comunidades indígenas e camponesas. A Uncaria Guianensis apresenta também efeito antitumoral. É importante que não se confunda com a planta ornamental Ficus Pumila também chamada de unha-de-gato, que é tóxica.

Boswellia

boswelli-serrata

Esta planta é um potente anti-inflamatório e muitos estudos demonstram sua eficácia em comparação com os anti-inflamatórios não esteroides, como o ibuprofeno. A boswellia tem sido usada eficazmente em casos de artrite reumatoide, asma, alergias, colite ulcerativa, doença de Crohn, inchaço das articulações e rigidez matinal nos idosos, inibição de células cancerosas.

Pimenta

pimenta

O princípio ativo curativo da pimenta (Capsicum spp.) é a capsaicina, uma resina oleosa. Tem poderosa ação analgésica, pois inibe a liberação do principal neurotransmissor dos estímulos de dor, consequentemente, bloqueia a sua transmissão. O uso da pimenta aumenta a liberação de endorfinas pela glândula pituitária e o hipotálamo. Também é eficaz na redução dos níveis de lipídios no sangue e ajuda a manter equilibrado os níveis de açúcar. A pimenta também ajuda na reparação e reconstituição dos tecidos danificados, melhora as funções estomacais e intestinais e ajuda na prevenção de várias formas de câncer. Também promove perda de peso já que tem a capacidade de elevar a taxa metabólica do organismo. Pode ser usada topicamente para aliviar a dor de neuropatias diabéticas, da osteoartrite e psoríase.

Fonte: Green Me