Por: João Marcos | 3 anos atrás

A informação é do presidente da Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama), Leocádio Neves e Silva. Terminado o processo licitatório, na modalidade registro de preço, que permite a aquisição conforme a necessidade da prefeitura, a empresa Bela Vista Papelaria e Distribuidora, de Gaspar (SC), tem 30 dias para a entrega da primeira solicitação de remessa, que é de 300 mil unidades, suficientes, segundo Silva, para cerca de dois meses. “Nós queremos agilizar o recebimento para repôr os estoques o mais rapidamente”, disse.

A aquisição total é 1,5 milhão de sacos, com cotação de R$ 0,55 cada, o que, segundo Silva, é suficiente até o fim do ano. A distribuição semanal varia de 40 mil a 45 mil sacos. A estimativa é a de que 20% a 30% de todo o lixo da cidade seja reciclável. A redução do volume encaminhado ao aterro sanitário proporciona economia. O custo efetivo para a destinação dos resíduos urbanos até o aterro é da ordem de R$ 0,27 por quilo, incluindo a coleta, transbordo, transporte rodoviário e a destinação final, o que representa um gasto anual de mais de R$ 10 milhões. Outro benefício proporcionado pelo programa é o aumento da geração de empregos e renda na cidade, sem contar a diminuição do impacto ambiental.

Orientações – O saco ecológico verde serve para o acondicionamento de todos os tipos de materiais recicláveis, mas é preciso observar alguns cuidados: lavar as embalagens de alimentos, remover os resíduos e deixá-las secar. Qualquer tipo de contaminante inviabiliza o aproveitamento. Outro cuidado necessário envolve a questão da segurança, especialmente com materiais cortantes. Estes devem ser embalados cuidadosamente antes de serem colocados no saco e, sempre que possível, identificados. Quando o saco estiver cheio, basta colocá-lo na frente da sua residência para a coleta seletiva. O óleo de cozinha também deve ser acondicionado; neste caso, recomendam-se garrafas plásticas (tipo pet).