Por: Ricardo Daniel Treis | 08/01/2013

Para esses caras que fazem do Por Acaso nossa segunda família, uma saudação e reverência ao trabalho impecável. Parabéns rapazes, vocês fazem valer o título.


Da nossa história, foi assim: primeiro havia um Max que batia fotos, que um dia chamou um Tiba e deu-lhe uma câmera na mão. Tiba descobriu que havia nascido para aquilo, então o trabalho cresceu e a qualidade começou a superar os padrões. Alguns anos depois o Eric, que já batia fotos e destacava-se retratista, acabou disponível, e felizmente aceitou nosso convite para entrar na equipe – mais uma vez o trabalho cresceu superando expectativas. Certo dia quando achávamos que não íamos mais dar conta da demanda o destino sorriu novamente, e de Guaramirim fizemos contato com um certo Elton (que vejam só, havia feito aula de datilografia com o Ricardo), que logo mais também nos apresentou o Diego. Ambos entraram para o time, Diego como filho de criação (posto que ocupa até hoje). Dessa integração em diante veio uma porrada de trabalhos, a expansão da área geográfica de coberturas e também a produção de vídeos nas baladas; e tudo com essa turma trocando informações e experiência. Fechando o quadro atual, em 2012 pintou esse novo figura, o Kelvyn. Pegando as últimas manhas na fase de experiência, agora esse mancebo está saindo do banco de reservas pra pegar pesado com o resto da moçada – e apesar de ter sido proibido de aparecer com ela em público, conste que Kelvyn é o único da equipe que tem uma TekPix.

A esses estimados amigos, eu e o Max agradecemos muito pela companhia. Graças à parceria de vocês que o Por Acaso chegou aonde está hoje.

Feliz Dia do Fotógrafo.