Por: Ricardo Daniel Treis | 4 anos atrás

Matéria por Natália Trentini, para O Correio do Povo:

cedup

O governo do Estado garantiu que até o final da próxima semana o edital de licitação para o término do Cedup (Centro de Educação Profissionalizante) estará oficialmente publicado. Com as obras paradas desde 2012, a retomada levará mais de R$ 2,7 milhões de recursos que estão assegurados através do Pacto Por Santa Catarina.

O prazo foi anunciado ontem pela diretora de infraestrutura escolar da secretaria de Estado da Educação, Karen de Oliveira, ao secretário de Desenvolvimento Regional (SDR) de Jaraguá do Sul, Alcides Pavanello (PSD), que esteve em Florianópolis acompanhado pelo prefeito de Guaramirim, Lauro Fröhlich (PSD), presidente da Aciag (Associação Empresarial de Guaramirim), Angelo da Silva, e o vereador, Altair Aguiar (PSD).

De acordo com o Estado, ainda falta o acabamento do prédio, pintura, pavimentação externa e interna, instalação hidráulica e elétrica. O mobiliário não está incluso no edital. A demora em retomar a construção foi pela necessidade de que o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) certificasse o erro no projeto anterior. As obras foram paralisadas após a descoberta de falhas de engenharia no projeto padrão, feito pelo Ministério da Educação.

Se os trâmites correrem bem, a previsão é de que a estrutura esteja pronta em outubro de 2015, de acordo com os prazos da licitação. Pavanello está otimista de que os limites sejam respeitados. “Está aprovado pelo grupo gestor e o recurso está garantido. Depois de tanto vai e vem, de datas adiadas e discursos, finalmente se tem uma decisão. Não tenho dúvida que a obra sai do papel definitivamente”, afirma.

Com 12 salas de aula, laboratórios de línguas, matemática, física, química, biologia e informática, mais biblioteca, quadra poliesportiva e laboratórios profissionalizantes, a expectativa é que o centro atenda cerca de 900 alunos por ano.

Para o presidente da Aciag, a região sente a necessidade de mão de obra capacitada. “É importantíssimo, a nossa região cresce muito e recebemos muitas pessoas fora, precisamos ter um espaço que atenda essa demanda. Pessoas mais qualificadas representam o crescimento para nossas empresas”, avalia Silva.

Inicialmente, a estimativa era que a estrutura custasse R$ 5,5 milhões aos cofres públicos. No decorrer, a obra recebeu aditivo contratual de R$ 1,3 milhão do governo do Estado. Com o investimento para a finalização, serão totalizados cerca de R$ 9,5 milhões, sem incluir o terreno doado pela Prefeitura de Guaramirim.