Por: Ricardo Daniel Treis | 4 anos atrás
rp

Ricardo Porfírio Schiochet, 11 anos

A diretora Jeana Danielly Miskievicz, da Escola Waldemar Schmitz, na Ilha da Figueira, está muito feliz com o resultado de um projeto desenvolvido com os alunos desde o início do ano. É uma gincana permanente que distribui pontuação às turmas que usam sempre o uniforme, mantêm a sala limpa e organizada, respondem a questionários de conhecimentos gerais (quizz) e trazem recicláveis à escola. Este último item tem se destacado na instituição pela quantidade. No mês de março foram arrecadadas 11.092 latinhas de alumínio e 3.197 garrafas pet. O dinheiro da venda desse material está possibilitando a reforma da biblioteca da escola, que foi atingida pela enchente de junho do ano passado. “Trocamos o piso, fizemos prateleiras sob medida, compramos 250 livros (estes com o auxílio de rifas), compramos tapetes térmicos para o chão, pufes e almofadas”, explica a diretora. Além de ajudar a escola, as turmas que obtêm a melhor pontuação no fim do ano ganham uma viagem a Joinville.

LEIAM ISSO:

“Eu e a minha família juntamos latinhas por dois anos e iríamos vender. Quando soube que a escola estava arrecadando, trouxe para cá. Foram 1.042 latinhas. A escola passou por uma enchente e está precisando, mais do que a minha família. Ajudar sempre é bom. Tudo o que vai, volta”, ensinou o aluno do 6º ano Ricardo Porfírio Schiochet, 11 anos (foto acima).

 

Cara… Fé no futuro com crianças desenvolvendo-se com essa mentalidade.

“O principal para mim é ajudar a preservar o meio ambiente”, resumiu a aluna do 5º ano Amanda Amabile Murara, dez anos, que trouxe um saco de latinhas para a escola. A pequena Laura Lolito, seis anos, trouxe três sacos de latinhas para a escola e está aprendendo desde cedo a importância da separação do lixo. “Lá em casa a gente separa o lixo”, garante.

Fica o exemplo!