Por: João Marcos | 6 anos atrás

Se por um lado, ter intimidade com colegas de trabalho é bom pelo quesito confiança, por outro, essa confiança demasiadamente exagerada não ajuda a nenhuma das partes. Pelo contrário, pode atrapalhar e muito. Já dizia Jon Ronson:

…o profissional ideal, tem pelo menos meia dúzia de características de um psicopata. Pois um psicopata não tem alguns traços básicos que nos tornam “humanos”, como por exemplo: empatia, remorso e gentileza.

Acredito que essa teoria foi fundamentada quando o mundo se preocupava apenas em produzir, produzir e produzir. Não que hoje seja diferente, mas atualmente a valorização profissional é bem maior do que naquela época. O mercado cresceu, e lhe deu mais opções, fazendo com que se torna-se um pouco mais “frio” a cada dia, afinal ninguém que se sinta mal por demitir alguém ou seja muito amistoso tem chances de “sobreviver”.

Mas a afinidade em forma de opinião e aprendizado também é muito interessante, o que torna o trabalho muitas vezes mais produtivo e eficaz. Então termino esse post da mesma forma que comecei, sem saber se no final do título o que vai é uma exclamação ou uma interrogação, prefiro ficar com a velha máxima (e clichê, que juro, tentei não usar no post) amigos, amigos, negócios a parte.