Por: Ricardo Daniel Treis | 3 anos atrás

Matéria por Natália Trentini, publicada no OCP Online:

2015_04_03-Professor-Francisco-de-Assis-Cunha-Escola-Euclides-da-Cunha-Neureu-Ramos-Piero-Ragazzi-4

De acordo com coordenador local do Sinte/SC, Francisco Rocha, mais de 40 professores da região estão mobilizados para a greve (Foto: Piero Ragazzi)

Mais de 40 professores da rede estadual de educação da região entram em greve por tempo indeterminado a partir de hoje. O Sinte/SC (Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública) anunciou na última quinta-feira, dia 19, a paralisação, alegando que o governo do Estado não conduziu diálogo a respeito da pauta de reivindicações da categoria.

No começo de fevereiro, iniciou o debate sobre o novo plano de carreira do Magistério. No entanto, a tramitação da Medida Provisória 198, que fixa remuneração básica dos professores temporários, não foi bem recebida pelo sindicato. A alegação é que a proposta divide a categoria ao diminuir os benefícios dessa classe de contratação.

O Sinte/SC pede a retirada da MP, entre outras melhorias, como a equiparação da tabela de salários. As propostas são contestadas pelo governo, que afirma que a aplicação é inviável pelo impacto financeiro. O secretário de Estado de Educação, Eduardo Deschamps, diz que a proposta do sindicato causaria rombo de R$ 2 bilhões nas finanças.

“O governo diz que o Sinte fechou as portas, mas eles não compareceram na última mesa redonda, na quinta-feira. Por isso antecipamos o anúncio para cumprir o prazo legal de 72 horas”, destacou o coordenador local do sindicato, Francisco Rocha.

Professores locais irão se juntar à assembleia, que acontece hoje, às 14 horas, em Florianópolis. A greve deve seguir até que as negociações avancem.