Por: Ricardo Daniel Treis | 6 anos atrás

Super explica: “Se ingerido em grandes quantidades, o álcool poderá interferir em várias regiões do cérebro, fazendo com que elas percam sua capacidade de funcionamento. Uma das regiões afetadas é a memória. O estado emocional antes de beber também pode predispor a amnésia. Quem vivencia momentos de estresse depois de beber pode esquecer mais facilmente o que aconteceu.”

Instinto: começou o porre eu ligo a câmera. Se não tem foto é porque não aconteceu…


Falando em pileque, ainda tem outras duas perguntas convenientes:

– Experientes aguentam mais?
“Você sabe: bebedores novatos ficam de fogo mais rápido, o que deixa a pessoa bêbada em menos tempo. Ao longo da vida, as enzimas do fígado ficam mais fortes. Mas, após anos de bar, a capacidade do fígado pode cair e o corpo fica menos tolerante à bebida. É por isso que os alcoólatras ficam bêbados mais rápido.”

– Misturar é ruim?
“Tecnicamente, o que deixa bêbado é a quantidade de álcool no sangue. Não importa qual o tipo de bebida. No entanto, quem mistura corre mais riscos porque pode beber mais rápido – e a velocidade está ligada ao porre. Quanto mais rápido beber, pior. Misturar não piora o porre. No entanto, pode piorar a ressaca. Bebidas escuras, por exemplo, têm mais congêneres (substância que dá cor à bebida) Quanto mais tipos de congêneres no corpo, maior a ressaca.”

Se ordenarmos o álcool com base nos sintomas de ressaca e por ordem descendente, ficaria então desta forma: cognac, vinho tinto, cerveja escura, rum, whisky, cerveja clara, vinho branco e vodka. Só não sei como fica um cubeta nessa aí.