Por: Ricardo Daniel Treis | 7 anos atrás

Tava passeando pelo Facebook quando vi essa imagem na atualização de status do Paulo:

Destruição de equipamento sonoro

Wow, daonde? Salvei o arquivo e joguei lá no Google Images pra pesquisar a origem (sabem fazer isso? Se não, perguntem aí na caixa que dou a dica), olha a notícia associada:

A prefeitura de Salvador (BA) destruiu na manhã desta terça-feira (6 de setembro) mais de 2 mil equipamentos de som. A ação, promovida pela Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município (Sucom), inutilizou os aparelhos apreendidos durante operações de fiscalização contra a poluição sonora, realizadas entre 2010 e 2011.

Com o uso de um rolo compressor, funcionários da Sucom passaram por cima dos equipamentos em um terreno próximo à praça Vinícius de Moraes, em Itapuá, bairro que lidera o ranking das regiões mais barulhentas da capital baiana. Todo o material destruído estava à disposição dos responsáveis, que poderiam buscá-los no depósito da Sucom mediante o pagamento de multa, que varia entre R$ 600 e R$ 101.250.

Essa é a segunda vez que a superintendência destrói aparelhos apreendidos. Em 7 de maio do ano passado, marcando a programação do Dia Municipal de Combate à Poluição Sonora, 80 equipamentos tiveram o mesmo fim.

De 1º de janeiro até o dia 15 de agosto deste ano, 1.620 equipamentos de som foram apreendidos nas fiscalizações da Sucom e operações integradas com outros órgãos.

Wow de novo! Olha só, a cidade de Salvador conta com agentes de fiscalização e prevenção à poluição sonora, dentro de um órgão chamado Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município. Eficiente, funcionam com um disque-denúncia.

Como vai Jaraguá?