Por: Ricardo Daniel Treis | 02/04/2012

Saiu matéria bacana no ClicRBS sobre a modalidade, engato a publicação já que dá um boost pro estúdio que nossa amiga Meggy Caropreso inaugurou recentemente aqui em Jaraguá. Check it.

ENTENDA PORQUE O POLE DANCE VAI MUITO ALÉM DA SENSUALIDADE
Apesar de ser mais conhecida pelo apelo sensual – explorado pela televisão e pelo cinema em cenas clássicas como a da todo-poderosa Demi Moore, no filme “Striptease”, de 1996 –, a pole dance também tornou-se uma prática esportiva e artística. Os profissionais que a ensinam, aliás, estão batalhando para incluí-la nas competições olímpicas e existe até uma organização, a The World Pole Dance Federation (WPDF), para cuidar dos aspectos esportivos, além da realização de campeonatos e mostras em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Engana-se também quem pensa tratar-se de uma atividade surgida recentemente. Apesar de ser nova como esporte, sua origem está ligada ao mallakhamb, um tipo de ioga acrobática, praticada em um poste de madeira desde o século 12, na Índia. Posteriormente é que a pole dance passou a ser uma dança sensual, realizada em boates e, agora, populariza-se como uma modalidade fitness, misto de esporte e dança, com técnicas, regras, movimentos de ginástica e coreografias.

— É um exercício que estimula a flexibilidade, força, resistência muscular, autoestima, sensualidade e redução de peso. Além disso, é bastante democrático porque pode ser praticado por homens, mulheres e crianças de todas as faixas etárias e portes físicos —, defenda a instrutora de pole dance Sabrina Lermen, que tem um estúdio em Joinville há dois anos e 12 turmas de cinco alunas com idades que variam entre 14 e 65 anos. (…)

MIL E UMA VANTAGENS
Os benefícios, de acordo com a instrutora, são inúmeros. A prática regular traz resultados rápidos e benefícios como estímulo da coordenação motora, flexibilidade, fortalecimento dos músculos, melhora da circulação sanguínea e respiração, além de reduzir gordura localizada, estresse e tensões musculares. Tudo isso por meio de uma atividade lúdica e divertida.

“Fiquei sete anos sem praticar nenhum tipo de atividade física e estou adorando as aulas. A pole dance trabalha a musculatura de uma forma divertida e senti os efeitos muito rápido. Não foi fácil no começo, é preciso persistência, mas esse é o diferencial. É uma atividade que te desafia”, conta a gerente de loja Daniela Pelaez, 33 anos. Ela ainda acrescenta a união entre as colegas como mais um dos incentivos para ir às aulas. “A gente se torna uma família aqui”, completa.

A veterinária Francielle Medeiros, de 30 anos, também não praticava exercícios há um tempo e nem cogitava matricular-se em uma academia. “Eu queria um exercício que trabalhasse o corpo e, ao mesmo tempo, fosse divertido”. Ela encontrou tudo isso na pole dance há oito meses e, agora, faz três aulas por semana. “Eu amo fazer pole. Cada aula é diferente da outra, além de ser lindo”, conclui.