Por: João Marcos | 16/04/2012

O Facebook é uma rede social-social, o LinkedIn é uma rede profissional-social enquanto o Path é uma rede pessoal. Ou seja, o momento em que a pessoa faz uma espécie de curadoria radical dos seus contatos em outras redes, deixando no Path apenas as pessoas em quem mais confia.

Matt Van Horn – Vice presidente de negócios do Path

O Path é uma rede social recente, que pretende reabilitar as redes sociais com o seu estatuto de lugar intimista, personalizado e pessoal, para partilha de momentos importantes ou mais casuais do dia-a-dia para com aqueles que nos são queridos. Começa com uma limitação interessante: são permitidos apenas 150 amigos, no máximo dos máximos.

Essa limitação é baseada em um estudo do professor Dunbar, que chegou a conclusão que 150 pessoas é o máximo de relações que um ser humano pode ter, então essa nova rede é para aqueles amigos mais chegados que fazem parte de nossa rede pessoal, e o objetivo dela é dividir informações e fotos com esses amigos mais íntimos adicionando apenas três informações básicas, como quem são as pessoas da foto, o lugar e os objetos. A única restrição é que o usuário pode escolher em dividir essa foto com todos, ou manter restrita entre ele e a pessoa da foto!

Para Dunbar, simplificadamente, é que cada pessoa tem em média 5 melhores amigos, 15 bons amigos, 50 amigos próximos e familiares, e 150 amigos no total ao longo da vida.

O Path foi criado no final de 2010 e tem-se mantido exclusivamente ao nível dos smartphones, apostando no iPhone e agora também cada vez mais no sistema Android, com vista a conquistar um mercado maior de utilizadores.

 

Hoje essa rede social já atinge a marca de 2 milhões de usuários. E você, o que achou dessa ideia? Já usou? Deixe seu comentário no post! Será que essa é a melhor forma de se prevenir de atualizações bizarras com fotos de animais maltratados, e de spams perguntando qual meme você é ou se você quer participar de algum jogo indesejado todos os dias?