Por: Ricardo Daniel Treis | 3 anos atrás

Gladiadores do Altar Igreja Universal

A publicação é do deputado Jean Wyllys, e vale o debate:

A foto é chocante (ao menos para mim). O fundamentalismo religioso no Brasil – articulado profundamente à lógica de mercado e promovido por estratégias publicitárias que interpelam as pessoas a partir de preconceitos históricos e do senso comum que o sistema de educação formal de má qualidade não tem conseguido desconstruir – esse fundamentalismo religioso tem sido negligenciado pela intelectualidade brasileira de prestígio e por políticos democratas e republicanos ao mesmo tempo em que é incorporado, de maneira irrefletida, por quase todos os partidos e diferentes governos. O fundamentalismo cristão no Brasil tem ameaçado as liberdades individuais, a diversidade sexual e as manifestações culturais laicas. Agora ele está formando uma milícia que, por enquanto, atende pelo nome de “gladiadores do altar”. Quando atentaremos de verdade para o monstro que emerge da lagoa? Quando começarem a executar os “infiéis” e ateus e empurrar os homossexuais de torres altas como vem fazendo o fundamentalismo islâmico no Oriente Médio? Não é porque tem a palavra “cristão” na expressão que o fundamentalismo cristão deixa de ser perigoso e não fará o que já faz o fundamentalismo islâmico.

Vídeo citado:

Heil, heil, heil!

No site da Universal, a apresentação foi feita através de release. Segundo eles “O projeto realiza reuniões semanais com os rapazes que estão dispostos a abrir mão de suas vidas para que outras pessoas sejam ajudadas, cumprindo assim o que Jesus disse(…) Para fazer parte do projeto a única exigência é ser batizado nas águas e ter desejo e disposição de servir a Deus, estar preparado para o que vier pela frente e ter o altar como único objetivo.”

“Estar preparado para o que vier pela frente”. Faço o grifo, e só. Detalhe vai para a logo do projeto, no melhor estilo “Amor de Velho Testamento”:

logo gladiadores do altar

Ferro, fogo, dízimo

Jean Wyllys não faz a toa o alarde. Mães e filhos de santo cariocas já sabem o que acontece com quem fica no caminho de milícia neo-pentecostal.