Por: Isah Sanson | 6 anos atrás

Parece que a fórmula para repelir os adolescentes de um ambiente na internet foi descoberta. Pelo menos é o que indica a pesquisa do Pew Internet & American Life Project, uma organização sem fins lucrativos que monitora hábitos de tecnologia das pessoas.

Quando o Twitter foi lançado, em 2006, menos de um em cada dez adolescentes usava o serviço. Hoje, o microblog presencia um boom de novas contas. Uma das causas para essa migração é o fato dos pais terem contas no Facebook, e estarem de olho no perfil de seus filhos.

E como todo adolescente adora privacidade, ainda mais quando se trata de seus pais, a migração tem sido constante. A pesquisa do Pew, de julho do ano passado, constatou que 16% dos jovens entre 12 e 17 anos usam o Twitter. Dois anos atrás, esse percentual era de apenas 8%. “Essa duplicação é definitivamente um aumento significativo”, diz Mary Madden, especialista de pesquisa sênior do Pew. E ela suspeita de que esse número seja ainda maior atualmente, já que no Twitter, a presença dos pais é menor.

Os adolescentes disseram que um dos fatores influentes na preferência pelo Twitter, é que no Facebook eles se sentem pressionados a adicionar as pessoas.  Já o microblog é mais anônimo, o que lhes dá mais liberdade para evitar os amigos dos amigos dos amigos. Não que eles tenham alguma bomba para esconder, mas sim, porque eles simplesmente não querem que todos os vejam.

Os adolescentes entrevistados na pesquisa elogiaram a facilidade de uso e a capacidade de enviar o equivalente a um SMS para um círculo de amigos. Neste serviço, eles podem ter várias contas e não precisar usar seus nomes reais. Eles também podem seguir suas celebridades favoritas e usar o Twitter como um muro de reclamações, para se queixarem de suas angústias e ansiedades, e até publicar pensamentos aleatórios com os quais se identifiquem.