Por: Sistema Por Acaso | 28/01/2015

15758040024_fa4baf6ed3_z

É, sem dúvida, um dos espetáculos mais esperados do FEMUSC – 10º Festival de Música de Santa Catarina. Para coroar a estreia do programa de Canto Lírico, a Noite de Ópera enriquece a programação desta quinta-feira (29), com trechos de obras conhecidas pelo público, devidamente apresentadas em seu formato original e com as músicas interpretadas pela Orquestra Sinfônica do FEMUSC, sob regência da maestrina Catherine Larsen-Maguire. Os ingressos já estão esgotados, mas haverá transmissão ao vivo pela internet.

Alunos do programa e o quarteto de professores de Canto Lírico do FEMUSC, formado por Ana Häsler (soprano), Celine Imbert (soprano), Gino Quilico (barítono) e André dos Santos (tenor e preparador vocal) são os responsáveis pelo espetáculo. No programa, partes de “Carmen”, de Bizet, “As Bodas de Fígaro” e “Don Giovanni”, de Mozart, e “O Barbeiro de Sevilha”, de Rossini, entre outras, servirão de introdução para o público conhecer o mundo da ópera.

A escolha não se deu ao acaso. Certos de que a maioria da plateia terá no Grande Teatro da SCAR seu primeiro contato com uma apresentação operística, os professores e a direção artística pinçaram árias, duetos e entreatos bastante populares. “Os números são muito conhecidos. As pessoas já viram em comerciais, na televisão, e agora terão contato em outro espaço. Alguns até vão descobrir na quinta-feira que tal música pertence a uma ópera”, explica o preparador vocal André dos Santos.

Celine Imbert irá interpretar a Habanera de “Carmen”, uma das peças seminais da história da ópera. Para a soprano, oferecer aos espectadores este primeiro contato com obras que eles já tenham familiaridade torna o espetáculo, como um todo, mais palatável. “Há também a parte didática. Muitos intérpretes são alunos, que estão estudando estas obras mais conhecidas, então selecionamos um repertório de acordo com o nível de adiantamento deles.”

Telões na SCAR exibirão as letras das músicas em português, para facilitar ainda mais o acesso. Segundo André, é justamente o idioma que causa uma barreira entre o grande público e a ópera. “Este talvez seja o grande impedimento, mas a ópera é um espetáculo popular e livre de preconceitos”, conclui.

Celebração de uma boa novidade

O Canto Lírico estreou no 10º FEMUSC em grande estilo. Lançado no Festival de 2014, o programa atraiu um grupo de alunos ainda reduzido, mas, segundo o diretor artístico Alex Klein, de bom nível técnico. A didática dos professores, que souberam equilibrar o rigor com o contato interpessoal, foi outra escolha elogiada por Klein.

Com isso, é certo a volta do Canto Lírico nas próximas edições. “Ele continuaria mesmo se tivéssemos muito problemas nesse primeiro ano”, avalia o diretor artístico, que compara o programa com o de Saxofone, que no decorrer dos anos passou por algumas adaptações e hoje está consolidado. “O Canto Lírico veio para ficar”.

O FEMUSC é uma realização conjunta do Instituto Festival de Música, Prefeitura de Jaraguá do Sul, Funcultural, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Governo de Santa Catarina, Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura; patrocínio WEG, Tractbel Energia, Raizen; apoio Zanotti, Santinvest, Duas Rodas; apoio institucional Sociedade Cultura Artística (SCAR), Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional, Vale dos Encantos Convention & Visitors Bureau, Fundação Cultural, Católica de Santa Catarina, SESC e Fundação Municipal de Esportes.