Por: João Marcos | 5 anos atrás

Enquanto isso, em Guaramirim… Prefeito Lauro Frölich e vice trocam críticas sobre o desempenho de cada um na gestão.

lauroepaulo

Após a Prefeitura de Guaramirim anunciar a manutenção do contrato com a Fundação São Camilo para administração do Hospital Padre Mathias Stein, até 6 de janeiro de 2014, e o pagamento de R$ 595 mil ao mês para a execução do serviço, o vice-prefeito Paulo Veloso (PSDB) tornou público seu descontentamento com a gestão do prefeito Lauro Fröelich (PSD) . Ele ventila inclusive a possibilidade de renunciar ao cargo. A notícia não apenas pegou a executiva do PSDB de surpresa como fez Fröhlich aconselhar Veloso a tirar férias.

“Eu desconsidero tudo o que o Veloso declarou. Ele precisa repousar e refletir sobre o compromisso que assumiu conosco durante as eleições”, diz Fröelich. Sobre a reclamação do vice de, que ao contrário do que teria sodo combinado, não ganhou carta branca para gerir a Saúde, Fröhlich alega que a oportunidade foi dada. “Ele tem sim carta branca na Saúde. Mas, até agora não mostrou trabalho. Estamos desde março aguardando uma alternativa para a administração do hospital. Não recebi nada ainda”, afirmou.

De outro lado, Veloso critica abertamente o repasse de quase R$ 600 mil à Fundação São Camilo e garante já ter levantado outras possibilidades de gestão para o hospital. Ele não revelou quais seriam estas alternativas, mas defende a realização de uma concorrência pública. “Não entendo como Jaraguá do Sul repassa apenas R$ 140 e R$ 160 mil para manter os serviços dos hospitais São José e Jaraguá e nós precisamos repassar quase R$ 600 mil”, questiona.

Segundo ele, com a manutenção do valor, vai faltar dinheiro para investir na atenção básica, na ampliação do horário de funcionamento dos postos de saúde e até na compra de remédios. “A dívida assumida pelo município vai aumentar e vai ser responsabilidade dessa administração e não mais da anterior. A situação da saúde vai piorar e muito em Guaramirim e eu quero deixar claro que isso não é culpa do Paulo Veloso”, alega.

Vice-prefeito cobra cumprimento dos compromissos assumidos em campanha

Paulo Veloso afirma ainda que os compromissos assumidos por ele e Fröhlich em palanque durante a campanha eleitoral não são cumpridos. Segundo ele, a falta de compromisso demonstrada até aqui é o principal motivo para sua decepção com os rumos do governo. “Quero que as promessas de campanha sejam cumpridas e deixar claro à população que o vice-prefeito não manda em nada. Falta dinheiro para investir na saúde básica, dinheiro que é investido no hospital”.

Apesar de afirmar a possibilidade de renúncia, Veloso diz que há compromisso com o PSDB e que as obrigações partidárias podem fazer com que ele permaneça do cargo pelos próximos três anos. “Eu tenho um compromisso com o PSDB e com aqueles que investiram na campanha, como o senador Paulo Bauer. O partido me cobra a permanência e eu infelizmente tenho obrigação partidária”, alega.

Para tomar uma decisão definitiva, Veloso aguarda reunião com o prefeito Lauro Froelich e a executiva municipal do PSDB. “Não preciso disso aqui. Minha vontade pessoal é a de renunciar. Eu devia ter saído em agosto, quando meu sogro, secretário da saúde, renunciou ao cargo”, concluiu.

Nada como um bom clima de trabalho, não é mesmo?

Via OCP Online