Por: | 8 anos atrás

 

syd barrett

Intensa, rápida e brilhante, assim foi a carreira de Syd Barrett, fundador de um dos grupos mais emblemáticos do rock, o Pink Floyd. Como cantor, compositor e guitarrista foi o responsável pela maioria das ideias do brilhante álbum de estreia do Floyd, The Piper at the Gates of Dawn, de 1967. Porém sua personalidade difícil resultou na sua “demissão” do grupo, logo em 1968, atuando ainda de forma errática, já que sua contribuição era fundamental.

Depois de um sumiço, Barrett reaparece em 1970 com dois discos: The Madcap Laughs e Barrett, nos quais recebeu a ajuda de seus ex-companheiros de grupo, principalmente de seu substituto, o guitarrista David Gilmour, que produziu a maioria do material. Estes discos, cheios de pequenos e fascinantes detalhes, estavam além da compreensão pop, variavam de brilhantes versos e melodias a sussurros pouco digeríveis e se tornaram culto exclusivo dos fãs de Syd.

Após esses discos, o aumento de seus problemas psicológicos, aliados às drogas, resultou na reclusão quase total, fechando definitivamente sua relação com a música, uma vez que nunca mais produziu material novo. Isto serviu para reforçar o culto a Barrett e transformar sua pequena obra em referência, citada por muitos até os dias de hoje. No final dos anos 80, com o culto mais crescente ainda, fez-se a necessidade de achar mais sobre seu trabalho e foi lançado o disco com material de sobras inéditas: Opel, em 1989 e mais recentemente, foram lançadas suas sessões na rádio BBC.

Seu sumiço foi tão grande que até conhecedores musicais pensavam que ele estivesse morto bem antes do fato; na verdade, depois de 1973, ele permaneceu escondido na casa de sua mãe em Cambridge, afastando-se de todos, captado de quando em quando por fanáticos e nostálgicos. Depois de vários anos lutando contra o diabetes, Barrett morreu discretamente em julho de 2006, com 60 anos idade.

Agora, pela primeira vez, sai uma compilação, unindo a obra solo de Barrett e suas participações no Pink Floyd. David Gilmour, que participou do trabalho original é agora o produtor executivo deste lançamento e remixou cinco faixas, incluindo: Octopus, She Took A Long Cool Look, Dominoes e Here I Go, na qual ainda adicionou baixo e guitarra. A interessante arte da capa ficou a cargo do designer gráfico inglês Storm Thorgerson, famoso por seus trabalhos para bandas como o próprio Pink Floyd; 10cc, Dream Theater, The Mars Volta, Muse e The Cranberries. Este disco é uma merecida lembrança para um dos mais criativos artistas do rock, que com sua “pequena” contribuição mudou muitos caminhos.

Via UOL.