Por: Izabella Wagner | 2 anos atrás

Nesta última sexta-feira aconteceu novamente. Explico tudo direitinho no vídeo abaixo. Sei que esse exemplo é um caso tragicômico, mas que serve para ilustrar muitas situações. Talvez você até tenha vivido uma delas neste fim de semana que passou.

1Para evitar aquela sensação de querer virar um avestruz e enfiar a cabeça na terra, não seja impulsivo em suas atitudes com relação às palavras. Lembre-se sempre do provérbio:

 

 

“A palavra é prata, o silêncio é ouro.”
Provérbio árabe

 

Mania que a gente tem de não conseguir guardar a língua dentro da boca. É tão fácil julgar, apontar o dedo em riste e falar o que vier a cabeça. E por vezes é tão difícil aguardar o outro se manifestar.  Confundimos a pausa com constrangimento e já vamos enfiando os pés pelas mãos.

E tudo isso poderia muito bem ser resolvido com um simples exercício de respiração, uma breve meditação, uma análise mais criteriosa ou um olhar mais aguçado.

Capturar

“As quatro coisas que não voltam para trás: A pedra atirada, a palavra dita, a ocasião perdida e o tempo passado.”

“Mas e se já foi, Izabella?” Repense, peça desculpas. Deixe o orgulho, o rancor, a raiva, a vergonha, ou sei lá eu o quê de lado!  Vai te fazer muito bem, com certeza!


Gostou dessa coluna? Tem mais da Bella aqui no Por Acaso, clique pra conferir:
A coluna de estreia, com receita de bolo de aniversário fit e vídeo maluco
– “O dia em que aprendi os 5 passos para fazer uma horta caseira