Por: Ariston Sal Junior | 09/05/2014

free-shop

A partir de domingo, quem embarcar em voos internacionais em Guarulhos poderá comprar um iPhone sem imposto, em real, parcelado no cartão de crédito.

O modelo 5S 16 GB desbloqueado custa em torno de R$ 2.799 no Brasil e sairá por R$ 1.492,70 (US$ 649) na nova loja da Fnac no T3 (Terminal 3) de Guarulhos, que será inaugurado no fim de semana.

A Fnac GRU fica na chamada área restrita do embarque, após a inspeção de passaportes. Trata-se de uma zona livre de impostos (free shop).

Por bem menos do que a diferença de R$ 1.306,30 dos impostos do iPhone, é possível voar para Buenos Aires (cerca de R$ 750, ida e volta).

A loja vai aceitar real, dólar e euro. O preço em real vai variar conforme o câmbio do dia. É possível parcelar em três vezes no cartão. Ou em até cinco no cartão Fnac.

Além de não pagar IOF (se a transação no cartão for em real), a compra no Brasil será mais barata que nos EUA, por exemplo, pois lá incide imposto sobre venda (“sales tax”) na maioria dos Estados.

Reprodução

Reprodução

 

FNAC

Mesmo quem estiver embarcando em um dos terminais antigos poderá acessar a Fnac e as demais lojas e restaurantes do T3. A circulação entre os terminais se fará a pé, e haverá esteiras rolantes.

Entre as dezenas de lojas da área restrita isentas de impostos do novo T3 estão Victoria’s Secret, Salvatore Ferragamo e GAP.

Os bens adquiridos nos free shops de partida recebem da Receita Federal o mesmo tratamento que bens adquiridos durante a viagem ao exterior (limite de US$ 500, com isenção para produtos de uso pessoal, como roupas usadas, um celular, um relógio e uma máquina fotográfica). Não entram, no entanto, na conta dos US$ 500 que o viajante tem direito a gastar nos free shops de chegada.

Os eletrônicos à venda na Fnac GRU serão importados e não atendem necessariamente às especificidades da Anatel. A empresa diz que os vendedores foram treinados para orientar sobre diferenças de tomadas e garantias.

NOVA FASE

A Fnac GRU ocupa uma área de 132 m² e inaugura uma nova fase no Brasil da varejista francesa, que há dois anos começou a testar um modelo de lojas de pequeno porte em aeroportos e estações de trem, o Fnac Retail.

“Queremos ter muitas lojas dessas no país”, diz Jacques Brault, 47, diretor da Fnac Brasil, que mantém conversas com outros concessionários de aeroportos e também com a Infraero.

A empresa também estuda abrir lojas do lado público dos aeroportos (onde são cobrados impostos) e está de olho na expansão do metrô de São Paulo, em particular na linha 6, que será gerida e operada pela iniciativa privada. “O potencial é enorme e vamos avaliar todas as oportunidades que surgirem em locais de conexão e trânsito de pessoas.”

A loja de GRU será a 12ª no país e oferecerá uma seleção das diversas categorias de produto encontradas nas grandes lojas, de eletrônicos (desde que móveis ou portáteis) a CDs, livros e revistas.

Além do formato Retail, a Fnac estuda trazer para o país o conceito Proximité, lojas de bairro de 300 m² a 1.000 m². A expansão poderá se dar tanto por meios próprios como por franquia.

Presente no Brasil há 15 anos, a Fnac registrou prejuízos operacionais entre 2010 e 2012. No ano passado, voltou ao azul, puxado pelo comércio eletrônico.

O e-commerce representa 19% das vendas no país, de cerca de R$ 600 milhões em 2013. O Brasil contribui com 5% das receitas globais.

Via Folha Uol