Por: Sistema Por Acaso | 3 anos atrás
Projeto prevê instalação de 10 mil equipamentos, sendo 500 já em 2015 - Divulgação Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/nova-york-vai-substituir-orelhoes-por-pontos-de-acesso-wi-fi-14591854#ixzz3NVq3HCEt  © 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Projeto prevê instalação de 10 mil equipamentos, sendo 500 já em 2015 – Divulgação

As cabines telefônicas estão com os dias contados em Nova York. Nesta segunda-feira, o prefeito da cidade, Bill de Blasio, anunciou que todos os 6,4 mil telefones públicos que ainda resistem à competição com os celulares serão substituídos por modernos totens que oferecerão acesso Wi-Fi gratuito, teclado numérico para chamadas gratuitas dentro dos EUA, tomada para carregamento de smartphones e tela sensível ao toque.

As construções começam no ano que vem. O plano é instalar 500 equipamentos ainda em 2015, mas o projeto completo contempla 10 mil pontos espalhados pela cidade.

Cada totem mede cerca de 3 metros de altura e funciona 24 horas por dia. O raio de alcance do sinal Wi-Fi é de aproximadamente 50 metros. Alguns dos equipamentos vão oferecer velocidade de conexão de até 1 Gbps, dez vezes mais rápido que as atuais redes sem fio públicas. A tela vai oferecer a turistas e moradores informações úteis sobre a cidade e exibir anúncios publicitários.

O projeto está sendo desenvolvido pela empresa LinkNYC e não custará um centavo para a prefeitura de Nova York. Tanto a instalação como a operação serão custeadas pela publicidade. A previsão é que os totens gerem US$ 500 milhões nos próximos 12 anos, o suficiente para custear o projeto e gerar lucros.

“A LinkNYC será a primeira rede de comunicações a levar o Wi-Fi público mais veloz do mercado a milhões de nova-iorquinos e visitantes”, diz a companhia, em comunicado.

E os moradores parecem aprovar a modernização.

— Se eles estão sendo mantidos apenas por nostalgia, então pragmaticamente, tudo bem — disse a música Miriam Dumlao, em entrevista ao “Wall Street Journal”. — Eu não sinto falta das minhas fitas cassetes.

Para Luke DuBois, professor de Mídias Digitais da Universidade de Nova York, os equipamentos vão ao encontro da cultura de ocupação das calçadas da cidade, mas podem existir preocupações com a segurança dos dados.

Segundo representantes da prefeitura, as informações dos usuários não serão compartilhadas com anunciantes, mas poderão ser entregues às autoridades em casos de processos judiciais. Em comunicado, a LinkNYC informa que todas as conexões serão criptografadas.

“Nós encorajamos que você continue usando criptografia, como HTTPS, para qualquer dado sensível. A rede também vai prevenir ameaças peer-to-peer eliminando a possibilidade de conexão entre os dispositivos”, diz a empresa.

Fonte.