Por: Sistema Por Acaso | 4 anos atrás

zpxbtvook1rldyof7nzu

Pesquisadores da Universidade de Yale nos Estados Unidos, conseguiram recriar faces através de atividade cerebral com uma precisão incrível.

De acordo com um dos chefes do estudo, o professor de psicologia e ciência cognitiva Marvin Chun, esse é um tipo de “leitura de mentes”. Ele diz que “outros tipos de scanners de cerebrais podem apenas dizer se você está vendo um animal ou uma prédio, não dizer qual animal ou qual prédio”. Esta tecnologia está em um nível diferente. Os especialistas envolvidos no projeto dizem que esse novo método “É incrivelmente preciso quando o assunto é reconstrução de imagens mesmo quando excluindo o cortex occipital (principal lobo do cérebro associado a visão).

Precisão abismal

O experimento segue da mesma forma do seu antecessor, o “UC Berkeley experiment” de 2011. A atividade cerebral é capturada usando um scanner fMRI (espécie de reprodutor de imagens que utiliza a tecnologia de ressonância magnética), enquanto as cobaias assistem a vídeos. As leituras então são guardadas em um banco de dados de voxeis – uma espécie de pixel de 3 dimensões, como os blocos do jogo Minecraft -, um computador então entra em cena e usa esse banco de dados de voxeis combinado com um database de mais de 18 milhões de vídeos do YouTube e cria um vídeo composto em tempo real usando os resultados do scanner fMRI.

[youtube_sc url=”http://youtu.be/nsjDnYxJ0bo”]

Porém embora inovadores, os vídeos do UC Berkeley não eram muito precisos. Faces por exemplo não passavam de um borrão. Isso acontecia de acordo com o novo estudo dos especialistas de Yale por causa que “a percepção de informação subjetiva está ligada a partes do cérebro que não eram o foco no estudo de 2011.”.

Os responsáveis pelo novo projeto então resolveram focar nesta falha do seu antecessor, e, mapeando essas partes do cérebro que foram anteriormente ignoradas, criaram um método de reprodução de faces que funciona de forma extremamente precisa.

Fonte.