Por: Ariston Sal Junior | 16/07/2014
2014_07_14-Obras-BR-280-caixa-d-agua-em-3

Empresa trabalha agora na camada rochosa para dar sustentação ao asfalto, que deve ser colocado a partir de agosto (Foto: Eduardo Montecino)

Uma nova etapa foi iniciada no lote 2.2 da duplicação da BR-280, entre Guaramirim e Jaraguá do Sul. Quem passou pela Rua Guilherme Tomelin nos últimos dias percebeu a mudança no cenário e nos trabalhos do maquinário no local, que fica entre o Bairro Caixa d’Água e a linha férrea. O trânsito flui normalmente na via.

Após terminada a vala para o escoamento da água e feita a drenagem do terreno – que antes era utilizado para o plantio de arroz -, as máquinas agora atuam na substituição do solo inservível por pedra detonada. O objetivo desta troca de solo é dar um melhor sustento e suporte à terraplanagem, que será o próximo estágio antes do asfalto, que deve iniciar em agosto.

Outra equipe da Cetenco trabalha paralelamente no desmatamento de um terreno que fica na Rua Rio de Janeiro, próximo a Schroeder I. De acordo com informações do Dnit, a empresa continuará o trabalho da captura de fauna e flora durante o procedimento de desmatamento. Após esse processo e a terraplanagem, será feita a camada de asfalto.

Esse lote da duplicação está orçado em R$ 535,7 milhões e terá duas pontes, dois túneis e 15 viadutos. A Cetenco, empresa responsável pela execução dos trabalhos, tem 36 meses para a entrega da duplicação pronta, iniciada em junho. A ordem de serviço autorizando a duplicação foi assinada pela presidente Dilma Rousseff, no dia 3 de dezembro do ano passado. A extensão da obra é de 23,9 quilômetros, do 50,7 ao 74,6.

Rotatória de Nereu Ramos

A construção da rotatória que ficará entre os bairros Nereu Ramos e Ribeirão Cavalo, deve iniciar em breve. De acordo com o Dnit, uma revisão do projeto da obra está em andamento, mas é aguardada a documentação completa da empresa Infrasul, contratada para a obra, incluída no orçamento de manutenção das rodovias federais.

A construção foi iniciada no ano passado, mas a empresa Sociedade Mafrense de Engenharia, de Curitiba (PR), faliu e houve o rompimento do contrato. Os documentos foram analisados pelo Dnit para a inclusão de um aditivo no contrato, para que a empresa Infrasul possa dar início ao trabalho. O valor do contrato é de mais de R$ 700 milhões.

Outros lotes em andamento

A licença que o Dnit esperava do Ibama para iniciar a terraplanagem do lote 2.1, em Araquari, chegou na última sexta-feira, mas ainda deve ser iniciado o processo de desapropriações para o início efetivo às obras.

A empresa Sulcatarinense, responsável pela extensão, recebeu recentemente as notas de serviço para iniciar as obras entre os Km 45 e 50, na faixa de domínio, não havendo, portanto, processos de desapropriações. Todo o lote possui 14 quilômetros de extensão – do 36,7 até o entroncamento com a SC-108, no 50,7. O orçamento é de R$ 134,2 milhões.
Já o lote 1, que compreende São Francisco do Sul e BR-101, continua parado e o edital que devia ter sido lançado em junho, agora tem previsão para agosto. A obra tem 36,7 quilômetros de extensão e o orçamento previsto é de R$ 300 milhões.

Via OCP