Por: Gabriela Bubniak | 2 anos atrás

O inverno não pode ser desculpa para sua moto ficar parada, principalmente quem depende dela para se locomover diariamente.

No verão, culpar o calor para não rodar com equipamento completo não adianta: bota, calça, jaqueta, luvas e capacete têm de estar presentes. Só que, além disso, no inverno é preciso escolher uma vestimenta apropriada para baixas temperaturas. Dá uma olhada:

Várias camadas

Nunca subestime o frio. Muitas vezes ele pode parecer ameno, mas a sensação térmica na moto é de mais frio em função do vento. Pilotar tremendo de frio pode ser perigoso, já que o motociclista desvia a atenção da estrada.

A regra é vestir várias camadas de roupas para evitar que o vento faça você perder calor, principalmente em altas velocidades. Há no mercado algumas opções de “segunda pele”, roupas de tecido sintético para usar por baixo da roupa normal. Algumas podem ser caras, mas compensam o investimento porque duram bastante.

Outra dica importante é escolher uma jaqueta versátil, que tenha forro térmico interno que possa ser removido. Dessa forma, a jaqueta servirá para dias quentes e frios. Há também calças com forro interno removível.

Aproveite e já opte por equipamentos repelentes à água — eles não são impermeáveis, mas ajudam a proteger de uma garoa, por exemplo, e costumam proteger melhor contra o frio.

Acessórios

As luvas também devem ser mais grossas que as usadas normalmente. Alguns motociclistas reclamam que luvas reforçadas prejudicam a sensibilidade, mas o frio é ainda pior. Depois de alguns quilômetros de vento gelado os dedos ficam enrijecidos e perdem a sensibilidade. Isso atrapalha a pilotagem.

Caso o frio seja muito intenso, pode-se também recorrer à balaclava — toucas que pilotos profissionais usam — para proteger rosto e pescoço.

O calçado

O calçado é um dos acessórios mais importantes para conseguir andar de moto no Inverno com a máxima comodidade. Nesse sentido, deve adquirir umas botas que sejam muito confortáveis e deve prestar atenção ao estado das costuras e das proteções. É importante que a sola seja de borracha para aderir a qualquer tipo de piso.

Preparando a moto

A motocicleta também pode sofrer com as baixas temperaturas. A dica do manual do proprietário e de vários mecânicos é a mesma: aquecer o motor. Não precisa ligar a moto e voltar para tomar banho, mas vale dar partida e deixá-la funcionando entre três e cinco minutos antes de partir.

Como a temperatura ambiente é baixa, todos os fluidos também estão resfriados. Esse aquecimento evita desgaste prematuro de peças do motor. O combustível mais quente também contribui para o rendimento da moto. Portanto o sistema elétrico – a bateria, principalmente – deve estar em boas condições, já que nesta época costuma ser mais exigido.

O ideal é que mesmo depois de aquecer a moto, o motociclista pilote por mais cinco minutos com bastante cautela e atenção redobrada. Isso serve para que outros fluidos, como o de freio e o óleo da suspensão, também atinjam a temperatura ideal. Vale lembrar que o pneu também leva alguns minutos para aquecer e oferecer a aderência necessária.

Cuidado na pista

Além da preocupação com as vestimentas e com a moto, é importante ficar atento à pista. Em regiões serranas, as temperaturas podem ficar próximas ou abaixo de zero. Nessas condições, a umidade do ar da madrugada pode formar uma fina camada de gelo sobre a pista e deixá-la escorregadia. Esse fenômeno já foi observado até mesmo na cidade de Campos do Jordão, no interior de São Paulo, imagina aqui por Santa Catarina, então?

Nessa hora, o ideal é pilotar sem trancos e não fazer curvas muito rapidamente. Uma dica é não sair muito cedo para viajar e, quem sabe, esperar o sol para amenizar o frio intenso. 😉

Fonte: Uol Carros