Por: | 8 anos atrás

era vidro e se quebrou

Depois de estrear em Joinville com grande sucesso, o musical “Era vidro e se Quebrou…” desembarca em Jaraguá do Sul, dando início a uma série de apresentações fora de casa.

Com o patrocínio da empresa Ciser, e com apoio oficial do Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, da Prefeitura e Fundação Cultural do município, “Era vidro e se quebrou…” será apresentado no dia 10 de junho, as 20 horas, em única apresentação no Centro Cultural da SCAR.

Ingressos no valor de R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia, para estudantes e pessoas acima de 60 anos), podem ser adquiridos na Secretaria do Centro Cultural. Informações pelo telefone (47) 3275-2477. Conforme a produtora Albertina Tuma, o espetáculo “permite materializar o desejo mais íntimo de voltar a ser criança e de nos reconectarmos com as emoções que sentíamos nas brincadeiras de roda nas ruas tranquilas do passado; ou quando agachados disputávamos campeonatos de bola de gude, gira peão, pipa e balão em noite de São João”.

O espetáculo, entretanto, não é totalmente infantil. “É um espetáculo adulto também, com boas doses de humor”, temperado, afirma, pelo ator convidado para costurar os quadros do espetáculo, Alex Maciel, com textos extraídos da nossa cultura popular e que pretende fazer um resgate das brincadeiras de ontem que ajudaram a construir o adulto de hoje.

O Coral Ciser, que tem no elenco 45 cantores, é uma atração a parte. O grupo nasceu há 13 anos dentro do projeto cultural patrocinado pela Ciser, maior fabricante de fixadores da América Latina, com recursos da Lei Rouanet do Ministério da Cultura.

“Era vidro e se quebrou…” tem de tudo, comenta Albertina. Canções e brincadeiras infantis do passado, músicas de Arnaldo Antunes, Gonzaguinha e Taiguara, com muitas coreografias. Além das vozes do coro, formado por funcionários e familiares da Ciser, o espetáculo traz bailarina, cantora lírica e um ator especialmente convidado.

O figurino e cenário são do carioca Augusto Pessoa, executado pelo cenotécnico paulista Marcelo de Mello; músicos dirigidos por Jacson Araújo, direção geral da atriz Eliane Ramin, que também assina o roteiro, e a produção de Albertina Tuma que teve a idéia de dar vida nova às brincadeiras do passado. “Era vidro…” ainda reserva outras delícias como a participação especial de várias crianças. O musical “Era vidro…” é dividido em quatro blocos, com temas distintos que se interligam através de textos de Eliane Ramin e outros da cultura popular, interpretados pelo ator joinvilense Alex Maciel. “É emoção do início ao fim. É uma viagem no tempo com direito a trenzinho, cata-vento, flores e pirulito colorido”.

Para completar a atmosfera de “Era vidro e se quebrou…”, a artista plástica Sonia Rosa monta no foyer do teatro, a convite da produção do espetáculo, sua exposição “Brincalhotices”, com mais de 30 obras em óleo, acrílica e aquarela.