Por: Sistema Por Acaso | 20/07/2011

O ano é 2011, uma época em que as teorias de Arte já possuem repertório vasto para se pensar sob diversos pontos de vista a produção cultural ao mesmo tempo em que ela é feita, ainda que haja muito espaço para novas ideias. Não importa o seu nível de conhecimento dessas filosofias, você pode recortar e colar os pensamentos desde os que já viraram senso comum até os mais refinados.

A americana Sandhi Schimmel é uma das artistas que tem se destacado com isso. Ela cria retratos a partir de colagens em mosaicos de revistas, calendários, cartões postais e até mesmo emails de spam que ela imprime. A artista realiza tanto trabalhos por encomenda, quanto recria figuras recorrentes da cultura pop, incluindo da indústria fonográfica. Veja os exemplos acima.

Mas não são apenas os materiais físicos que podem ser recortados e reorganizados. Letras de música constantemente viram obras de arte de apreciadores ou profissionais do design. É uma apropriação muitas vezes em nível emocional, a partir não apenas de admiração pela canção, mas identificação com o que ela diz. Daí, uma vez retirado de seu todo, o verso ganha tratamento estético visual, adquirindo sentido fora de seu contexto e encerrando seu significado em si mesmo, como neste exemplo: Verso tirado de The Hardest Button To Button, do White Stripes.

Muitos entendem a música como um recorte de tempo organizado ritmicamente e melodicamente. O próprio tempo pode ser reconhecido através de cortes que fazemos nele. Daí a naturalidade de recortar-se a música para criar novas obras artísticas.

Via