Por: Anderson Kreutzfeldt | 4 anos atrás

museu_04

Agora Museu WEG de Ciência e Tecnologia, o espaço traz uma nova forma de contar história. Máquinas e equipamentos antigos saem e dão lugar a aparatos tecnológicos, que mostram o novo momento da WEG.

São 11 salas temáticas, que criam enredo sobre as descobertas e invenções fundamentais para o desenvolvimento do eletromagnetismo e a revolução eletrônica.

Interatividade: Desde sua criação, a interatividade sempre foi um diferencial do museu. Agora, esse conceito foi ampliado e ganha força ao ser representado por meio de diversos recursos de som e imagem. É possível compreender e interagir com os fenômenos do eletromagnetismo e a forma como a sociedade se apropria deles, entendendo a complexidade das operações envolvidas no simples ato de acender uma lâmpada.

Tecnologia: Recursos tecnológicos não podem faltar para concretizar a nova fase do museu. Telas touch screen, áudios, vídeos e projeção mapeada são algumas das tecnologias envolvidas.

Acessibilidade: Segundo Manda Tojal, Museóloga e Consultora em Acessibilidade e Ação Educativa Inclusiva em Museus e Instituições Culturais, o Museu WEG de Ciência e Tecnologia está entre os cinco museus com mais acessibilidade do Brasil. Além de elevador, piso tátil, maquete tátil, motor em resina para montar e desmontar, e acesso para cadeirantes, o museu tem uma equipe totalmente preparada para receber visitantes com necessidades especiais.

museuWEG_01

Além dos conceitos básicos de física, o visitante tem a oportunidade de aprender e conhecer como funcionam alguns produtos e sua aplicação real no cotidiano das cidades, casas e indústrias, e a história de mais de 50 anos da WEG.

Horário de funcionamento: De terça a domingo, das 10 às 18h.

 

Sobre a reforma do Museu

Fechado em setembro de 2013, a reforma teve duração de aproximadamente 12 meses.  O espaço físico não foi modificado, mas muitas áreas remodeladas. Neste período, a estrutura passou por quatro grandes etapas de trabalho:  catalogação de todo o acervo e reserva técnica de peças antigas, retirada e acondicionamento do acervo que estava em exposição ao público, obras civis e a montagem da nova exposição. O projeto foi desenvolvido pela Base7, de São Paulo, uma empresa de destaque especializada em museus.