Por: João Marcos | 5 anos atrás

Eu cresci em um mundo no qual a Microsoft era uma empresa de software. Essa era a política da companhia ainda capitaneada por Bill Gates, que estava se tornando o homem mais rico do mundo.

O objetivo era popularizar a computação pessoal, trazendo um sistema operacional que estivesse presente no maior número possível de computadores, e ainda emplacar lá dentro diversos programas.

Mas aquele modelo de negócio morreu oficialmente hoje, no dia 3 de setembro de 2013. Por US$ 7,183 bilhões, a Microsoft comprou a divisão de celulares da finlandesa Nokia. Assim, a companhia de Redmond se torna, de um dia para o outro, uma das maiores empresas produtores de hardware do mundo.