Por: Ricardo Daniel Treis | 7 anos atrás

Emílio da Silva e seu SéculoJaraguá do Sul ganhou, ontem à noite, dois livros que resgatam a história da cidade e fazem homenagem a um ilustre jaraguaense, Emílio da Silva, patrono do Museu Histórico. As obras “Memória… um Museu e a História” e “Emílio da Silva e seu Século” foram lançadas no museu e são compostas por depoimentos, textos históricos e fotografias que ilustram e representam uma época.

Organizado por Sidnei Marcelo Lopes, Alcioni Macedo Canuto, Amadeus Mahfud, Eliza Ressel Diefenthäler e Ivana Aparecida Costa Cavalcanti, “Memória… um Museu e a História” levou dois anos de pesquisa para chegar às 200 páginas que compõem o material. Segundo Lopes, a idealização da obra partiu de Amadeus Mahfud, que, além de sua paixão pela história da cidade, tem uma memória privilegiada, além de ter acompanhado a trajetória do museu, desde a construção, em 1988.

“O livro trata do museu, de sua importância para a cidade e também é uma homenagem ao Amadeus. Também contamos parte da história de Jaraguá, além de falar sobre preservação, patrimônio, conservação e restauração”, explica Lopes. “Tivemos 15 pessoas envolvidas, além dos organizadores, para reunir todo o material do livro”, completa.

Já o livro em homenagem ao patrono do museu, “Emílio da Silva e seu Século”, foi escrito pelo advogado, escritor e poeta José Alberto Barbosa, que pesquisou durante cinco anos e contou com a ajuda de 20 pessoas, além das 29 citadas no livro, que colaboraram com depoimentos e material de arquivo. “Três pessoas foram determinantes na elaboração: Amadeus Mahfud, o historiador Ademir Pfiffer e a museóloga Alcioni Canuto. Barbosa mescla memórias de sua convivência com o biografado e revela que foram mais de 150 autores pesquisados e mais de 35 livros consultados para resgatar nas 880 páginas do livro sobre Emílio da Silva.

Publicadas pela Design Editora, as obras foram viabilizadas com a colaboração da Fundação Cultural e dinheiro da Weg, por meio da Lei Rouanet. O livro “Memória… um Museu e a História” tem mil exemplares e “Emílio da Silva e seu Século”, três mil. Os livros serão distribuídos para bibliotecas, museus e escolas.


Foto e matéria via AN